-

sábado, 24 de abril de 2021

CeL - Mais Beatles Walk

Foi em Abril de 2005

Capítulo 12
Mais Beatles Walk
Este é um mais um Capítulo do Projeto 

Capítulos anteriores:

Intro 1:  A terra do rock
Capítulo 1: CeL - Hyde Park
Capítulo 2: CeL - Abbey Road
Capítulo 3CeL - A Academia, A Visão
Capítulo 4: CeL - O Curso

Capítulo 5: CeL - Albert Hall, Regent, Oxford, Picadilly
Capítulo 6: CeL - Logradouros Project
Capítulo 7: CeL - Animals sem o porco
Capítulo 8: Cel - Beatles Walk
Capítulo 9: CeL - Tate Modern

Capítulo 10: CeL - London Eye
Capítulo 11: CeL - The Famous Square Mile


Ao longo de minha peregrinação naquele domingo, vim folheando o livro que havia comprado, London Beatles e resolvi que ia fazer eu mesmo a caminhada que havia perdido de manhã.

Fui a Picadilly Circus e procurei a Savile Row, rua internacionalmente conhecida por produzir alguns dos mais caros ternos do mundo o que, para mim, pouco interessava. Interessava-me tão somente, o número 3 daquela rua (abaixo), endereço dos Estúdios da Apple, de 1968 a 1972, onde foram gravadas as canções do álbum beatle “Let It Be’. Não só o álbum, mas também o filme “Let it Be”. Mais que isso, no teto daquele edifício de 4 andares, em 30 de janeiro de 1969, os Beatles fizeram sua última apresentação ao vivo, depois de quase 3 anos de trabalho exclusivamente de estúdio, e que veio a se tornar a última cena do filme. Claro que não se pôde chamar de concerto, pois o público que os via, eram apenas os componentes da equipe técnica e quem os ouvia, sem ver, eram os transeuntes das vizinhança, que vieram atraídos pelo som, que atraiu também os policiais da delegacia localizada a 150 metros dali e que acabaram por negociar, amigavelmente, o fim do “show” após brilhante performance de 6 músicas, que John finalizou com ironia: “Espero que tenhamos passado no teste!”. 


Depois, 1 Soho Square, onde fica o escritório de da produtora de Paul, a MPL: o interessante do ponto foi ver a praça, não muito grande, cheia de gente esparramada aproveitando o restinho de sol da tarde. Londrino não desperdiça momentos ensolarados de maneira alguma. Depois, 17 St.Annes Court, local do Trident Studios, onde gravaram Hey Jude e outras 5 canções, aproveitando-se da aparelhagem de som, mais moderna que a de Abbey Road. 

Depois, um ponto que absolutamente nunca havia ouvido falar sobre: um banheiro público em Broadwick Street (ao lado) onde John fez uma aparição num pequeno sketch cômico com Dudley Moore, em 1966. Aproveitei para esvaziar a bexiga, desta vez com o tempero especial de que, com certeza, John também fez xixi ali, que honra!!!

Seguindo as instruções, passei por Carnaby Street, onde os artistas (Beatles, The Who, Stones, Hendrix) faziam suas compras da moda, o local era o centro da Swinging London. 


Depois, 8 Argyll Street, local do London Palladium, teatro importante por marcar o início do termo Beatlemania, quando a imprensa percebeu a histeria dos fãs, após um show em outubro de 1963. Depois, alguns pontos de menor interesse, até que Richard orienta: ... vire à esquerda, em Picadilly Circus, pare em frente à Tower Records, olhe na direção da estátua de Eros e perceba ao fundo o sinal do “Prince of Whales Theatre”! Não parece instrução de mapa do tesouro? Achei muito legal, o estilo. Na certa, ele achou que não valia à pena atravessar o conturbado Circus somente para ver o teatro, onde os Beatles fizeram uma apresentação histórica, em noite de gala, novembro de 1963, em que estavam presentes a mãe e a irmã da rainha, na qual John fez aquele famoso apelo: “For the next number I would like to ask for your help. Will those in the cheaper seats clap your hands? The rest of you just rattle your jewelry!” E atacou de Twist and Shout, inesquecível! 


JOHN ENCONTROU YOKO AQUI!
Depois, London Pavillion, onde aconteceram as premières dos filmes beatle! E Jermyn Street, onde John&Paul dos Beatles encontraram Mick&Keith dos Stones e lhes entregaram o primeiro sucesso: “I Wanna be Your Man”. Depois, mais alguns pontos sem interesse, até chegar a Masons Yard, ao qual se chega por uma passagem quase secreta, onde, no número 6 havia um pub, The Scotch of St. James onde havia uma mesa permanentemente reservada para os Beatles (ao lado), com plaquinha e tudo e, no número 9, a antiga Indica Arts Gallery (hoje os nomes são outros). Nesta galeria a artista japonesa Yoko Ono fazia uma vernissage de sua obra em novembro de 1966 e John foi fazer uma visita especial, no dia 9, levado pelo proprietário da galeria. Foi deveras emocionante ver o local onde começou o fim dos Beatles. 
Os Beatles 'começaram' a existir aqui

Paradoxalmente, minha última parada neste estafante dia foi justamente para conhecer um ponto fundamental para o início da carreira dos Beatles: 363 Oxford Street, antigo endereço da HMV shop (de discos), o local onde Brian Epstein conheceu Syd Coleman, que o apresentou a George Martin em fevereiro de 1962 e o resto é história. Apesar de a HMV ter deixado o endereço, conseguiu registrar para sempre o fato, com uma placa azul, que explica o ocorrido, em frente à qual, tirei a última foto antes de acabar a bateria da câmera. 

Voltei para o hotel para descarregar livro e papelada e partir para o último London Walk, o Old Chelsea Pub Walk. O que me atraiu no passeio não foi a possibilidade de visitar Pubs, mas alguns endereços que me atraíram. O local de encontro era a Sloane Square station, a cerca de 300 metros do hotel. Lá estava Mary, a guia, que, paradoxalmente, não bebe, porem é excelente guia, tem bom humor e sabe contar as histórias necessárias. Chelsea é o 4° local mais caro da cidade, atrás de Mayfair, Belgrave e Knightsbridge. Dá pra ver pelos prédios e ruas, muito bem cuidados. Foi neste passeio que soube sobre o significado dos Mews. Em frente a Royal Avenue, ela disse que, provavelmente ali morou o personagem James Bond. Andamos bastante, paramos em dois Pubs, para mim uma perda de tempo, porém bebi um Pint de cerveja quente ... , por aqui eles bebem a cerveja na temperatura do ambiente, ainda bem que não é o calor daí. Como não tinha bateria na máquina, fiquei sem cobertura fotográfica do passeio, mas coloco aqui a foto de um outro famoso pub, porque eu adoro o nome, traduzindo, 'O Pub dos Enforcados, Afogados e Esquartejados'. Genial!! 

Quando chegamos a Cheyne Walk, à beira do Thames, ela mostrou a casa onde morou Keith Richards, o guitarista dos Rolling Stones, segundo Mary, um Pharmaceutic Specialist (HeHeHe). Um pouco mais adiante, próximo à ponte de Chelsea, vimos a casa de outro Stone, (e stoned) Mick Jagger e, vizinha à dele, de nossa querida Julie Andrews (um casal que não combina nada!), o que me deixou com mais vontade de assistir ao musical Mary Poppins, sonho que, neste momento, final de quarta-feira, 13, já realizei. Quando chegamos ao terceiro pub, apenas poucos ficaram e caminhei de volta ao Hotel.


Próximos Capítulos


Capítulo 13: CeL - East End - A Broadway Londrina
Capítulo 14CeL - Farewell Dinner da Turma do Mini MBA
Capítulo 15: CeL - Australian Pink Floyd
Capítulo 16: CeL - Do Vinho para a Água
Capítulo 17: CeL - This is Africa

3 comentários: