-

terça-feira, 6 de abril de 2021

As Nonsense Songs dos Beatles

Capítulo 28

Esta é minha saga 

O Universo das Canções dos Beatles

Todos os Capítulos têm acesso neste LINK 

Eis que chegamos ao último assunto dos 7 identificados!

Não deixa de ser um desafio para este cronista tentar decifrar o SENTIDO de letras sem SEM SENTIDO, mas decerto que tentarei.

Elas são apenas 3, então não há sentido em fazer o gráfico dos tempos, apenas digo que foram lançadas uma em 1968 e duas em 1970.

E não há necessidade de identificar classes, entre 3 canções.

E como são todas de John, não requer qualquer representação gráfica.

E, olha, antecipo que, se você não  entender bem as letras, não se preocupe, ela não querem dizer nada mesmo, hehe!

Antes de partir para a análise das canções, sempre é bom lembrar o caminho da saga até aqui, já com 29 Capítulos!

Cada NÚMERO é um LINK para informações adicionais!!!

  • 211 canções lançadas pelos Beatles, em 7,5 anos de carreira
  • 186 de autoria de um dos Beatles
  • 185 canções com letras (uma instrumental)
  • 007 assuntos identificados (Girl, Miss, Speech, Story, Self, Acid, Nonsense)
  • 074 canções sobre garotas - Girl Songs
  • 022 canções sobre saudade - I Miss Her Songs
  • 029 canções com discursos - Speech Songs
  • 028 canções com histórias - Story Songs
  • 020 canções sobre si mesmos - Self Songs
  • 009 canções sobre drogas. - Acid Songs (AQUI!)
  • 003 canções sobre ... sei lá.... - Nonsense Songs, abaixo!!!

Agora a tabela resumo, com um trecho da letra, ano e mês de lançamento, e em seguida, a descrição de cada uma!

E, neste LINK, um áudio com os 3 trechos selecionados!



1. Revolution 9 (Álbum Branco - 1968)   

John brinca:  'Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... Número 9... '. A canção (?!) tem muito mais letra que isso, mas é só isso que a gente lembra, fica na nossa mente, como um loop eterno. E tenho certeza que que John (e Yoko) não queria passar nenhuma mensagem nessa colagem de sons, loops, barulhos, gritos, sussurros, lamentos, instrumentos musicais e de percussão, tiroteio, buzinas, trechos de programas de rádio, e de TV, e de peças de teatro, tudo o que encontrou nos arquivos da EMI, ele colocou tudo junto e misturado e ao mesmo tempo agora, dezenas de fontes de sons, em mais de 8 minutos de faixa, a maior da carreira Beatle. Era John fazendo vanguarda, música concreta, chame lá o como quiser. O que não dá é usar esse espaço todo e deixar de fora as ótimas Not Guilty, de George, e What's The New Mary Jane, do próprio John, ou mesmo Child of Nature, também de John. Essa é minha opinião! Paul também não ficou nada impressionado e tentou, como tentou, demover John dessa idéia. 
A voz do 'Number 9' é de um técnico de som da EMI fazendo teste de som, que John cortou e repetiu à exaustão. A razão do 9, é porque é importante na vida de John, nasceu num dia 9, e tem várias conotações religiosas, é considerado 'número angélico'. Na carreira solo, ele faria uma linda canção #9 Dream. A origem foi uma canção que ele fez para o Álbum Branco, chamada Revolution, que ele terminava com uma Revolução de Sons, uma colagem que durava 6 minutos. O grupo resolveu separar as duas partes, acelerou a primeira para lançá-la em compacto, com Hey Jude, mudaram o nome da original para Revolution 1, e John estendeu a parte final para 8 minutos e nomeou-a Revolution 9, e as duas estão no LP. John tem frases faladas, especialmente o Allriiight Allriiight, George tem umas falas, e também Yoko, ficou notável o 'You become naked!' 
Pra finalizar, deixo um desafio. Qual percentual de fãs dos Beatles, ao serem instados com a questão. 'Que música dos Beatles você quer ouvir?' responderia Revolution 9?

2. You Know My Name (Look up the Number) (Compacto - 1970)   

John brinca:  'Você sabe o meu nome, procure o número. Você sabe o meu nome, procure o número Você você sabe você sabe meu nome. Você você sabe você sabe meu nome. Boa noite e bem-vindo ao Slaggers, apresentando Denis O'Bell, Venha Ringo, vamos ouvir o Denis! Boa noite! Você sabe o meu nome, melhor olhar o número'. Essa verdadeira brincadeira começou com John admirando uma lista telefônica e seu anúncio "You know the name, look up the number", falou da ideia pra canção pra Paul, que perguntou 'Ok, o que mais?"e John respondeu: 'Só isso... quero que seja um mantra'.... e só nisso ficou, então variaram nos ritmos.  E John, sempre irônico, investiu nos textos e nos murmúrios, lembrou-se de um conhecido da época do filme A Hard Day's Night, e colocou o nome com uma letra trocada (o certo era O'Dell). As 3 primeiras sessões foram em 1967, com os 4 Beatles, e mais o saxofone de Brian Jones, dos Rolling Stones, mas ficou esquecida. John e Paul voltaram a ela apenas em 1969, e o técnico de som registrou que eles estavam muito felizes trabalhando nela, e dividindo um microfone só, como não faziam há anos, e aquela foi também a última vez.... triste! Ela foi lançada em 1970, em compacto como Lado B de Let It Be, direto para número 1 das paradas, decerto ter sido o lançamento mais desequilibrado da história, uma linda balada no Lado A, e uma comédia musical no Lado B.  


3. Dig it (Let It Be - 1970)   

John brinca:  'Como uma pedra rolando, como uma pedra rolando, como uma pedra rolando, como o FBI e a CIA, E a BBC? BBKing e Doris Day Matt Busby, sacou? Sacou? Sacou? Sacou? Sacou? Sacou? Essa foi 'Você saca essa? de Georgie Wood! E agora nós gostaríamos de tocar 'Ouça, Os Anjos Vieram 
Nas sessões do Projeto Get Back, notabilizou-se uma Jam Session puxada por John e acompanhada pelos demais (Paul, George, Ringo e Billy Preston), que durou 15 minutos, dos quais o produtor Phil Spector extraiu os 51 segundos que sobreviveram no LP, a chamada 'famous people section', inclusive o obscuro Matt Busby, que a gente tem que ir wikipidiar para descobrir que era "um treinador escocês de futebol e ex-jogador. Consagrou-se como treinador da primeira era de ouro do Manchester United". Nós, beatlemaníacos, gostamos de ouvir as versões mais compridas, daqueles três acordes repetidos à exaustão com John principalmente, mas outros fazendo citações e chamados. A versão que aparece no filme Let It Be tem 4 minutos, e até aparece Heather, a filha de Linda (ainda apenas Eastman) murmurando a canção e um George Martin tocando um chocalho meio sem jeito. Ela é creditada no LP aos quatro Beatles. No final, John apresenta, com voz de criança, a performance do grupo com o título Can You Dig It, que seria de autoria de um certo Georgie Wood, que seria um conhecido da infância de John. Por isso, e pela iniciativa e condução do jam, prefiro contabilizá-la como sendo apenas de John.


2 comentários:

  1. Homero, eu nunca tinha ouvido nada dessas 3 (musicas??). Pelos pedacos da gravacao que vc colocou tudo me pareceu muita loucura e brincadeira gravada soh para matar o tempo ou porque nao queriam fazer nada mesmo. Soh zoar!!!

    ResponderExcluir
  2. Rapaz!!! Ainda bem que giram apenas 3

    ResponderExcluir