-

segunda-feira, 7 de junho de 2021

Love Me Do - A 1ª Canção Oficial dos Beatles

Esta canção abre a coletânea Past Masters #1, 14º Álbum Oficial dos Beatles

a história do álbum, assuntos e canções, aqui neste LINK

É uma de 19 canções com Paqueras de Garotas

                                        as demais 18 canções de mesmo Assunto e Classe, neste LINK

Atenção, canções com títulos em vermelho 

são links que levam a análises sobre elas.

1. Love Me Do (Flirt Girl Song by Paul McCartney)

John e Paul paqueram: 'Ame-me de verdade, você sabe que te amo. Serei sempre verdadeiro, então por favoooor, ame-me de verdade')

"A primeira gravação, a gente nunca esquece!"  
O slogan Valisére do comercial de soutién decerto serviu para quatro rapazes. É certo que nenhum deles, vindos de Liverpool, no norte da Inglaterra,  jamais de esqueceu daquele 4 de setembro de 1962, na Abbey Road Nº 3 em Londres, capital do país. O mais velho deles acabara de completar 22 anos de idade. Naquele dia, os Beatles gravaram a primeira de 211 canções que comporiam a carreira em estúdio de maior sucesso da história da música. A ideia original da canção veio de Paul, ainda em 1958, ano bonito, aliás, ano marcante, o primeiro ano desse meu atual estágio neste plano, decerto minha chegada teve suas participação no astral para que ele compusesse aqueles versos simples, de letra mais ainda, e que continuaram simples até maio de 1962, lá em Hamburgo, quando eles receberam um telegrama de seu empresário Brian Epstein, dizendo que preparassem mais composições, porque estava garantido um contrato de gravação com a EMI. Claro que o recado era para dois deles, chamados Paul e John, já que na cabeça do terceiro, George, do alto de seus 19 anos, decerto (terceira vez que uso a palavra) nem passava a ideia de compor qualquer coisa. O quarto? Sim, o quarto ainda não estava com eles àquela altura, mas Ringo já estava nos planos dos outros três. Bem, dado o recado, Paul se lembrou daquela canção simples já com quatro anos de vida, com apenas um verso (Love, love me do, you know I love you, I allways be true, so please love me do) e disse a John para incrementá-la um pouco, e ele criou a ponte ('Someone to love, somebody new, someone to love, someone like you). Note que esta é a totalidade da letra e que as rimas ocorrem no mesmo fonema 'oo' em inglês, o nosso 'u', 'do-you-true-new'. 
 
Ali em cima, eu mencionei o 4 de setembro, mas o processo de gravação começou em junho, dia 6, quando John, Paul e George, junto com o então baterista Pete Best, chegaram aos estúdios da EMI para a primeira gravação de fato. Após acertarem seus instrumentos, tocaram nada menos que Besame Mucho, sim, o bolero, numa versão em inglês que Paul adorava, e já haviam tocado no famoso teste em que foram recusados pela gravadora Decca, em 1º de janeiro daquele ano, deixo aqui o LINK do boleringlish, como curiosidade. George Martin, o produtor, não gostou muito dela e passaram para a segunda, justamente Love Me Do. Martin achou a letra muito simples, mas gostou muuuito da gaita que John tocava, era uma novidade, mesmo assim, considerou-a apenas para o Lado B do compacto, jamais para o Lado A. 
E aqui vai uma fofoquinha sobre a gaita que John usou .... ele a 'tomara emprestado' de uma loja numa cidade da Holanda, lá da primeira viagem a Hamburgo e o 'empréstimo' já durava três anos.... fim da fofoquinha! 
Bem, a tal gaitinha provocou a primeira intervenção como produtor daquele que interviria centenas de vezes na carreira dos Beatles. George Martin não gostou da sobreposição que ocorria na entrada da gaita no final do primeiro verso, quando John a toca, após o 'so ple-e-e-ease... love me ...'. Martin desceu da sala de controle e disse: 'A canção não se chama Love Me Waaaah, então, nessa hora, Paul, você assume o vocal!' Simples assim! Paul declarou que tremeu nas bases, mas venceu esse primeiro desafio, como sabemos!! Só que aquela bateria não agradou a George Martin, e ele disse que iria trazer um baterista de estúdio na próxima sessão. Veja aqui, neste LINK, um dos motivos para esta decisão, note o estilo que acompanha a ponte, bem estranho mesmo! Bem, aquilo veio a calhar! 
 
John e Paul, principalmente, gostavam muito do baterista dos Hurricanes de Rory Storm, banda de Liverpool que também ia a Hamburgo, e a decisão de Martin precipitou as coisas, foi feito o convite a Ringo, ele aceitou, assumiu as baquetas em 22 de agosto, para mim, a data de fundação dos Beatles e, agora sim, no dia 4 de setembro, os quatro voltaram a Abbey Road, um deles, George, com o olho roxo por conta de uma briga com fãs inconformados com a saída de Pete Best. A primeira canção que gravaram, entretanto foi How Do You Do It, que Martin havia mandado a eles em Liverpool, para que ensaiassem. Ele realmente não queria Love Me Do no Lado A. Foram dois takes apenas e partiram para a autoral Love Me do, á qual dedicaram 15 takes, produzindo um resultado muuuito melhor que aquele de junho. Os takes foram só com instrumentos, e acrescentaram as vozes depois. Mesmo assim, Martin ainda não estava satisfeito e chamou-os de volta uma semana depois. 
 
O desejo de John e Paul de terem duas originais deles no primeiro lançamento foi conseguido porque Dick James, o editor das canções, ouviu e não gostou da versão de How Do You Do It, e decidiram que finalmente Love Me Do abriria o compacto. No dia 11 de setembro, gravaram P.S. I Love You, sem Ringo, com Andy White, o baterista contratado (Ringo tocou chocalho e nunca perdoou George Martin por aquilo), e ela chegou a ser considerada para ocupar o Lado A do compacto, mas alguém se lembrou de uma canção de mesmo nome já lançada, e a dos Beatles só poderia ver a luz do sol num Lado B. No mesmo dia, também gravaram Please Please Me, e ela chegou a ser considerada para integrar o compacto, mas Martin a considerava boa demais para ser um Labo B e a deixou para o segundo lançamento. O calvário de Ringo foi ainda maior naquele dia: seus três companheiros ainda fizeram 18 takes de Love Me Do com Andy White na bateria, e ele no pandeiro. Aquele último take foi editado e utilizado no LP Please Please Me, no ano seguinte. Felizmente, a versão que Ringo gravara na semana anterior foi a utilizada para o lançamento do compacto, em 5 de outubro. 
  
Esse grande dia chegou! E o mundo.... quer dizer, a Inglaterra ouviu, um novo som, um rythm&blues gostoso, meio que um skiffle, ritmo que já estava ficando pra trás, com uma letra simples, com três versos repetidos, mas com algumas características marcantes: 
  • a introdução na gaita de John, 
  • os vocais principais em harmonia, de John nos médios e Paul nos mais agudos, e um pleeeeeease estendiiiido (a gente até imagina o autor de joelhos) de dois compassos e meio, 
  • uma parada total (portanto, logo de cara, o mundo foi apresentado ao Beatles Break, que ocorreria em muitas de suas gravações no futuro), 
  • chegando ao final do Verso 1, Paul entoando solo o título da canção Love Me ... e, quando entoa o Do, entra John com sua gaita repetindo a introdução. 
Esse verso e suas manobras são repetidos mais duas vezes, mas entre eles, vêm as pontes, uma vez cantada (Someone to love...), em harmonia, e outra vez apenas na gaita de John. Isso, por si só já era diferente, pois os solos instrumentais acompanham normalmente a melodia dos versos. Essa ponte tocada é estendida até quatro compassos, para mais um break introduzindo o verso final. Notável! 
 
Os ingleses gostaram do novo som, as duas canções foram bem tocadas nas rádios, o compacto chegou ao 17º lugar na parada britânica, posição talvez alcançada por conta de uma massiva compra de 10 mil unidades feita pelo empresário Brian Epstein para sua loja de discos em Liverpool, que, aliás, ficou em festa! Ela foi muito tocada ao vivo em 1962 e 1963 em shows pelo Reino Unido e também na última vez em Hamburgo. Deixo aqui uma vídeo-montagem muito simpática, com cenas interessantes daquele começo de carreira, e notem logo no começo aquele sujeito respeitável numa loja de discos, ele é Brian Epstein. Nos Estados Unidos, ela apareceu no álbum Introducing The Beatles apenas em janeiro de 1964, dias antes de os Beatles estourarem 'na América', com I Wanna Hold Your Hand e She Loves You. Na esteira do sucesso, Love Me Do foi lançada em compacto, com a versão tendo Andy White, e atingiu o Nº1 nas paradas americanas, o que possibilitou seu lançamento 38 anos depois no mais que espetacular sucesso da compilação "1". 
 
Antes disso, em 1988, Paul fez um medley com as canções do compacto, chamou-a de P.S.Love Me Do e a cantou no Brasil em 1990 e nos demais locais de sua primeira grande excursão mundial apresentando canções da época dos Beatles. Deixo o LINK aqui, até porque é uma das pouquíssimas vezes em que Paul não está comandando um instrumento, apenas ele e o microfone e passeando no palco, muito raro. E nós fomos brindados com isso! 
 
Posteriormente, em 1998, Ringo incluiu Love Me Do em seu álbum Vertical Man, que é a versão que deixo aqui para vocês, até como uma homenagem ao Ringão, que foi preterido nas versões das duas canções naquele 11 de setembro de 1962, que ele sempre quis esquecer. Tanto que ele até faz piada com a lembrança, dizendo: "Vou apresentar aqui aquela primeira daquela canção em que eu NÃO toquei bateria." Aqui, neste LINK.

4 comentários:

  1. A pegada Michael Jackson do Paul no remake Love me do/PS I love - link - you é muito divertida!
    E a bateria do Pete Best não conseguiu se encaixar na melodia... Foi o grasnado do cisne...
    Gostei muito dos detalhes da análise e da boa escolha em seguir os Pat Masters como guia.

    ResponderExcluir
  2. Verdade Auro, mas confesso que não aprecio o ritmo

    ResponderExcluir
  3. Verdade Auro, mas confesso que não aprecio o ritmo

    ResponderExcluir
  4. rs rs rs...Estou rindo de ter se lembrado do comercial da Valisere. Marcou muito aquele comercial. Pois eu tenho um texto chamado ' O primeiro reveillon' jamais se esquece.
    Muito importante mostrar o motivo pelo qual George Martin achou melhor trocar de baterista. Porque até hoje temos de ouvir pesssoas dizendo que foi erradíssimo, que Pete teria de continuar. Pronto. O audio prova que não podia mesmo. E há ainda o outro motivo: ele não se entrosava. Não era um Beatle. Nem mesmo usava o cabelinho marca registrada Nâo combinaria. Nada contra o rapaz, que nem conheço, E acho que sua mãe foi muito legal com eles. A Mona. Mas tinha de ser Ringão e nenhum outro.
    Tem certeza que ele não ainda não perdoou George Martin por algo tão antigo e que praticamente no dia seguinte já não tinha miportancia? Quero dizer: Ringo logo entrou oficialmente e ficou para sempre. além disso, pelo que ouvi por aí recentemente, não foi George Martin que contratou o outro baterista. Foi ideia de um engernheiro de som que trabalhava lá. Eu não tenho como garantir isso, mas vi uma entrevista com o baterista e ele menciona este engenheiro. E também não sabe dizer o que aconteceu ao certo.

    Quero agradecer a você do fundo do meu coração ter me dado a data verdadeira do nascimento dos Beatles como os conhecemos. Salve o dia 22 de agosto!

    Quanto a PS I love you ...é simplesmente divina. Maravilhosa. A Freda Kelly queria que tivesse sido o lado A. Mas eu gosto de Love me do também.

    ResponderExcluir