-

quinta-feira, 6 de maio de 2021

You Never Give Me Your Money only funny papers

Esta é a 3ª canção do Lado B do LP Abbey Road

E a 1ª do medley mais famoso da história do Rock

a história do álbum, cenário, assuntos e canções, aqui neste LINK

É uma de 19 canções de DR com Garotas

                                        as demais 18 canções de mesmo Assunto e Classe, neste LINK

Atenção, canções com títulos em vermelho 

são links que levam a análises sobre elas.

9. You Never Give Me Your Money  (DtR Girl Song by Paul McCartney)

Paul reclama: "Você nunca me dá seu dinheiro. Você só me dá um papel estranho. E quando a gente negocia, você cai em prantos. Eu nunca lhe dei meu número, eu só lhe contei de minha situação". 

Gente, que mico! Acho que me enganei na classificação do assunto da letra da canção... ou não? Veja o que pensei, Paul dizendo: "Você não me faz isso, você só me faz aquilo", parecia briga de casal, um reclamando do outro, então concluí, precipitadamente, ser uma DR com uma garota. Agora, pensando melhor, a menção a 'dinheiro' e a 'funny paper' que pode ser considerado como 'documento', refletia a época em que eles estavam, discutindo relações comerciais, sendo gerenciados por empresários que não lhes davam o dinheiro, então a "situation" se referia à situação financeira!! Enfim, é uma DR, sim, mas não com uma garota. Este trecho seria um discurso para uma pessoa, sendo esta Allen Klein, que começava a administrar a situação financeira da banda. Mas olha, pensando bem, vou deixar assim mesmo, até mesmo porque You Never Give Me Your Money, além de iniciar o maior medley da história da música, a primeira de 9 canções, não é UMA canção, mas ela própria é um medley de TRÊS canções, cada uma com um tema diferente, então, faz-se difícil definir um assunto único para as três, portanto, pode ser qualquer um, então deixa assim! 
 
A 2ª canção interna começa por "Out of college, money spent, see no future, pay no rent, all the money gone, nowhere to go" fala das dificuldades de um recém-formado, sem dinheiro e sem saber pra onde ir, uma observação social, e seria mais uma Tale Story Song. E a 3ª canção tem nada a ver com as outras duas, ela diz: "One sweet dream, pick up the bags and get in the limousine, soon we'll be away from here, step on the gas and wipe that tear away", vem a ser uma inspiração de sua esposa Linda, com quem havia acabado de se casar e que gostava quando, mais jovem, de sair sem destino, e colocava o pé no acelerador ("step on the gas"), só que a "limousine" que rima com "dream" reflete melhor o estado de milionário do agora maridão. Seria, por sua vez, uma Person Speech Song. E olha, poderia se identificar até uma 4ª canção porque a brincadeira infantil rimada "One two three four five six seven, All good children go to heaven", orientando ritmadamente um pular de corda, seria mais um Group Speech Song, e não se encaixa com absolutamente nenhum dos outros trechos de  letras. Enfim, uma salada, como a que John fez em Happiness Is a Warm Gun, um ano antes. Então, sendo a canção uma montagem de sons, não faz sentido identificar sua estrutura, falar sobre versos, pontes e refrões. No início, até se identificariam dois versos, começando por "You never give me your money"  e "I never give you my number", mas como se trata de uma letra que para por aí, nem isso dá pra fazer. Essa é a cara dessa montagem de sons. Depois entram aqueles outros dois 'versos' já mencionados. E, lá adiante no super medley, vem um terceiro verso na linha daqueles primeiros, dante Carry That Weight "I never give you my pillow...numa épica recorrência, típica da genialidade da 'montagem'! 
 
A gravação da primeira canção do grande medley foi fora da EMI, no dia 6 de maio, no Olympic Studios, já utilizado antes. Foram gravados 36 takes, com Paul ao piano, John na guitarra distorcida, George numa guitarra usando mais os tons graves, quase um baixo, e harmonizando com o piano e Ringo na bateria. O piano do terceiro trecho “Oh, that magic feeling” foi amplificado pelo já famoso Leslie Speaker. O Take 30 foi considerado bom o suficiente, mas o 36 é bem interessante e foi lançado posteriormente, com vocal apenas de Paul, ainda sem a seção infantil, e com uma finalização extensa que vai diminuindo, fading out. E note, neste LINK, logo no início o que significa o efeito do Leslie Speaker no piano: após um papo nonsense delicioso, Paul começa a tocar seu piano, mas pede à sala de controle: "Leslie out, please!". Incrível!
 
Depois de um break de mês e meio, de descanso e projetos pessoais, em que John fez aquele segundo Bed-in, em Montreal, e teve aquele acidente de carro na Escócia, a canção voltou a receber esforços em 1 de julho, com apenas Paul gravando seu vocal principal. Àquela altura, já se havia decidido que o medley entraria no último álbum da banda, então sem nome. No dia 11, apenas Paul novamente, acrescentando seu baixo sobre o Take 30, a melhor parte dele,estonteante, na seção Out of college.... Quatro dias depois, vocais dobrados de Paul a partir de "funny paper", e ele também acrescentou sinos tubulares em "Oh, that magic feeling, nowhere to go" reforçando (e até afogando, eu diria) a guitarra de John, e George dobrou sua incrível guitarra logo a seguir até o começo da última 'canção' da montagem, que começa com "One sweet dream". A bateria de Ringo não precisou de consertos, estava perfeita! 
 
No final de julho, já com várias canções do super medley quase prontas, começou uma série de sessões para conjuminá-las num conjunto espetacular. Então, eles ficavam indo do estúdio para a sala controle e desta de volta ao chão da fábrica para acrescentar sons. Que sessões devem ter sido aquelas! Como eu queria estar lá! Então, naquele dia 30, os três cantores harmonizaram backing vocals para o trecho "I never give you my number..." e para a seção infantil “One two three four five six seven...” e Ringo tocou um pandeiro no final das frases. Àquela altura, o take de trabalho já era o 40, após algumas reduções. O trabalho final daquele dia foi discutir e acertar qual seria a transição da canção para Sun King, mas dia seguinte, continuou o trabalho. Paul reforçou sua linha de baixo e foram gravados backing vocals "aaaaahhh aaaaahh" na seção “Out of college...”, e lá mesmo desistiu do efeito Leslie, e tocou ali um piano sensacional, ponto alto instrumental da canção, algo que soaria como aquele honky tonk piano, de Rocky Raccoon com os mesmos truques (velocidade reduzida, uma oitava abaixo, e tal). Tão especial, piano, baixo, vocal, sino, letra, que fiz um áudio-clipe com o trecho, clique AQUI para baixá-lo! Paul ainda não estava satisfeito com a transição para Sun King e acrescentou, no dia 13, efeitos sonoros (bolhas, grilos, pássaros, sinos, vozes, grunhidos) e uns tape loops que ele trouxe de casa, e, como sabemos, tudo caiu como uma luva. E depois, entre operações de fita, Paul acrescentou aquele vocal "ah, ah, ah, ah, ah" antes da seção infantil. 

PRÓXIMA CANÇÃO DO SUPER MEDLEY 

SUN KING 

6 comentários:

  1. No meio de tanta música boa está faixa é uma pérola no meio do coral de canções de Abbey road

    ResponderExcluir
  2. Dizer que uma música dos Beatles é linda é pleonasmo. Mas digo assim mesmo. E três vezes: linda, linda, linda
    Eu sempre ouvi por aí que a música seria sobre Allan Klein. E o quanto Paul desconfiava dele. A palavra situation pode ser exatamente o que você disse, mas é bom lembrar que no inglês arcaico, mas ainda usado de vez em quando, é também localização. Enfim, ele sabia onde Paul morava. Paul tinha falado que era perto do estudio...mas nunca deu a ele o número. Não deu o endereço completo. Enfim, dele queria distância. Faz sentido mas não tenho certeza.
    Tanta gente não tem certeza e fala com certeza...Essa coisa de que sabiam que Abbey Road seria o último disco. Ainda vejo isso sempre. Está até na Wikepdia, uma publicação pouco confiável, a bem da verdade. Qualquer pessoa pode jogar ali qualquer coisa. Vi uma biografia do meu pai na Wikipédia que...pouco tem a ver com ele. A de um dos meus irmãos ainda é pior. Cheia de mentiras.
    Assim nunca temos como saber ao certo o significado das letras, Mas estou com voce nisso aí: deve ser mesmo para alguém com que estavam lidando nos negócios. Pode ser o Klein or Dick James. Parece que Paul se inspirou para essa música ainda em lua de mel...e foi durante a lua de mel que ele ficou sabendo da venda dos direitos autorais. Teve de ligar para John que também estava em lua de mel contanto aquele absurdo. Pode ser.
    Nao importa em quem pensava. O que importa é que se trata de uma jóia preciosa. E aqueles sinos me levam às altura graças ao "magic feeling"

    ResponderExcluir
  3. Uma de minhas canções preferidas
    Paul estava “ possuído” quando criou isso é os quatro magos tiram do caldeirão mental esse obra prima
    Thanks

    ResponderExcluir
  4. Como sempre excelente. Eu não gostava de Sun King , mas depois fui me acostumando com a música e vejo como casou bem com You beber...

    ResponderExcluir
  5. Luiz de Oliveira8 de maio de 2021 10:37

    Tudo sempre perfeito, músicas, análises e ótimos comentários

    ResponderExcluir
  6. Que incrível: quando ouvíamos essa canção (entre outras) nos anos 70, pensávamos que a banda entrava no estúdio fazia algumas gravações superpostas e pronto! Saía a faixa do disco! Sua minuciosa e meticulosa análise mostra que o trabalho era burilado como se burila um diamante. E são evidentes os papéis de Paul (a mente criativa no trabalho de estúdio), dos técnicos (George Martin, Emerick) e da participação de cada Beatle no que lhes compete.
    Esse medley consegue ser ainda mais belo depois desse análise.

    ResponderExcluir