-

quarta-feira, 30 de julho de 2014

BEATLES em HAMBURGO

Texto de Renato Quaresma
Imagens de Homerix


Como se sabe, os Beatles foram forjados como banda graças às apresentações ao vivo que fizeram no início dos anos 60, na cidade de Liverpool, com destaque para os shows no Cavern Club (foram 292 apresentações no período de 21 de fevereiro de 1961 a 3 de agosto de 1963), e na cidade de Hamburgo, mais precisamente no distrito de St Pauli.


Segue abaixo um resumo das 5 passagens dos Beatles, na fase pré beatlemania (lembrando que no auge da fama os Beatles se apresentaram na cidade em 26/06/1966), por Hamburgo.


Convém destacar inicialmente que no fim dos anos 50 / início dos anos 60, a Avenida Reeperbahn, localizada no distrito de St Pauli, na cidade de Hamburgo, tinha a fama de ser o local mais depravado do mundo, em razão das diversas casas de streap-tease em funcionamento, inferninhos e etc..., com frequência de prostitutas e de jovens, pode-se dizer muito alucinados. A Reeperbahn, que ainda hoje é famosa pela sua vida noturna, porém não tão agitada como naquela época, é uma avenida larga, situada à margem direita do Rio Elba, e que conta com diversas ruas transversais, dentre elas a famosa Grosse Freihert, no seu lado norte. 


1ª passagem dos Beatles por Hamburgo

Locais dos shows:

The Indra – Grosse Freihert nº 64

·         Kaiserkeller – Grosse Freihert nº 36


   Empresariados por Allan Williams, que acertou um contrato para shows com o famoso dono de casas noturnas de Hamburgo, Bruno Koschmider, os Beatles, ainda com Pete Best na bateria e Stu Sutcliffe, chegaram de trem a Hamburgo pela primeira vez no dia 1º de outubro de 1960.


Eles entraram na cidade pela Monckebergstrasse (rua arborizada com lojas e cafés), passaram pelo Lago Alster (lago que tinha barcos a remo e cisnes), pela Rathaus (Prefeitura e Parlamento), pela praça do mercado e Igreja de São Miguel, até chegarem à Reeperbahn.
As apresentações dos Beatles estavam programadas para o The Indra, que era uma casa de streap tease, com um pequeno bar e de péssima aparência. Os Beatles permaneceram por lá por muito pouco tempo, pois o próprio Koschmider decidiu fechá-lo em função dos protestos dos vizinhos, inclusive com batidas policiais, em razão do som barulhento emitido pelos Beatles.

Com isto, Koschmider transferiu-os para outra casa de shows de sua propriedade: o Kaiserkeller. No Kaiserkeller, que era uma casa um pouco melhor do que o The Indra, os Beatles teriam que dividir as apresentações com outra banda de Liverpool, a Rory Storm and The Hurricanes (banda que estava contratada para se exibir no local), cujo baterista era Ringo Starr.
As apresentações dos Beatles normalmente aconteciam seis vezes por semana, das 7 hrs da noite até às 5 hrs da manhã.

Foto de Astrid, no Parque Dom
Foi no Kaiserkeller que os Beatles conheceram três importantes figuras que marcaram as suas vidas: Klaus Voorman (se tornou baixista e contribuiu em discos solo dos Beatles, com destaque para o primeiro álbum solo de John Lennon, além de desenhar a capa do álbum Revolver), Astrid Kirchherr (futura namorada de Stu, primeira fotógrafa dos Beatles, e segundo a lenda, a responsável pela mudança no corte de cabelo dos Beatles) e Jurgen Vollmer. Cabe aqui ressaltar que as famosas fotos que Astrid tirou dos Beatles em Hamburgo, aconteceram no Parque Municipal Dom, localizado próximo à Reeperbahn.

Devido a problemas no palco (o palco era de madeira depositado sobre engradados de cerveja), que quebrou, ao que tudo indica propositadamente pelos Beatles e pela banda de Rory Storm, os shows das duas bandas foram provisoriamente suspensos.
Na verdade, os Beatles estavam de olho em uma nova casa de shows muito melhor do que o Kaiserkeller, montada pelo empresário Peter Eckhorn, inaugurada em 21 de outubro tendo como grande atração o rockeiro Tony Sheridan. A casa de shows se chamava Top Ten e ficava localizada na própria Reeperbahn (comenta-se que os Beatles, sempre que podiam, davam uma escapada até a Top Ten para assistir aos shows de Tony Sheridan).

Mesmo sem poderem legalmente, já que o contrato deles com Koschmider impediam que eles tocassem em uma casa de shows em um raio de 5 Km do Kaiserkeller, os Beatles acertaram um contrato com Eckhorn para a realização de shows no Top Ten, para acompanharem Tony Sheridan. Inconformado, Koschmider tomou providências. Em 20 de novembro, a polícia pediu o passaporte de George Harrison, que era menor de idade. Com isto, ele foi deportado, e em 24 horas teve que deixar Hamburgo e voltar para Liverpool. Mesmo sem George, os outros Beatles decidiram continuar em Hamburgo, já que na visão deles, para tocar com Sheridan não precisavam de guitarrista solo. Mais uma vez a polícia impediu. Graças a uma ação de Koschmider, Paul McCartney e Pete Best foram acusados em 1º de dezembro de tentarem incendiar o local em que os Beatles se hospedavam, o Bambi Kino (o Bambi Kino era um cinema poeira, localizado na Paul-Roosen Strasse, nº 33, próximo ao local dos shows)  e também foram deportados. Não sobrou outra alternativa para John e Stu senão a de retornarem a Liverpool também.

Estava assim encerrada a primeira e desastrosa visita dos Beatles à Hamburgo.

2ª passagem dos Beatles por Hamburgo

Local dos shows:

·         Top Ten – Reeperbahn nº 136


Apesar dos problemas, não se pode negar que os Beatles fizeram sucesso nas apresentações em Hamburgo, e agora empresariados por eles mesmos (Allan Williams foi dispensado), na verdade por Pete Best, foram efetivamente contratados por Peter Eckhorn para finalmente se apresentarem com Tony Sheridan no Top Ten (George já tinha completado 18 anos e Koschmider havia retirado as denúncias contra Paul e Pete).



Os Beatles se apresentaram no Top Ten de 1º de abril até 1º de julho de 1961, por 92 noites. Nesta temporada, os Beatles ficaram hospedados no sótão do Top Ten.

Cabe lembrar que antes de voltarem à Hamburgo, os Beatles já se apresentavam no Cavern Club, cuja estréia com casa lotada e por um cachê de 3 Libras, ocorreu no dia 21 de fevereiro de 1961, com um show na hora do almoço.



Dois fatos importantes aconteceram durante esta temporada. A primeira foi a saída de Stuart Sutcliffe da banda. Stu, após uma apresentação no Top Ten, comunicou aos outros Beatles que estava deixando a banda para viver com Astrid, e não retornaria a Liverpool (Stuart se matriculou na Hochschule, uma escola de artes de Hamburgo, semelhante à Liverpool College of Art, onde ele havia conhecido John Lennon). Ao deixar os Beatles, Stu entregou o seu contrabaixo para Paul McCartney, que ele entendia ser o beatle mais preparado para tocar tal instrumento.



Com Tony Sheridan em My Bonnie
O segundo fato marcante ocorreu já no final desta temporada em Hamburgo (final de junho), que foi a entrada dos Beatles pela primeira vez em estúdio, para gravarem como banda de apoio no disco de Tony Sheridan, que seria lançado pouco tempo depois pela Polydor, sob a tutela de Bert Kaempfert. Foi em uma sessão de gravação nesta época que a lendária interpretação de Tony Sheridan, com acompanhamento dos Beatles, para a música My Bonnie, foi materializada.

3ª passagem dos Beatles por Hamburgo

Local dos shows:

·         Star Club – Grosse Freihert nº 39


Já empresariados por Brian Epstein (Brian assinou contrato com os Beatles em 3 de dezembro de 1961), e com o single My Bonnie lançado na Inglaterra (5 de janeiro de 1962), os Beatles retornavam à Hamburgo, desta vez para tocarem no Star Club, casa de propriedade de Manfred Weiessleder. Para quem havia tocado no The Indra, Kaiserkeller e Top Ten, o Star Club, que foi inaugurado em 13 de abril de 1962 para receber uma programação de rock liderada pelos Beatles, era um paraíso. Com capacidade para 2000 pessoas, os Beatles permaneceram lá por quase 2 meses, de 13 de abril até 31 de maio de 1962.



Stuart e Astrid
Porém um fato muito triste ocorreu logo na chegada dos Beatles a Hamburgo. Brian decidiu não acompanhar os Beatles na viagem, pois estava trabalhando na tentativa de conseguir um estúdio que quisesse gravá-los (eles haviam sido reprovados pela gravadora Decca na audiência realizada em 1º de janeiro). Para amenizar a situação, Brian decidiu que eles viajariam para Hamburgo de avião. Foi uma festa, pois somente Paul já havia viajado de avião antes. Ao chegarem ao aeroporto de Hamburgo, eles avistaram Astrid Kirchherr, mas não viram Stuart Sutcliffe. Ali, no saguão do aeroporto, Astrid comunicou-os que Stu havia falecido no dia anterior, vitimado possivelmente por um derrame cerebral.



No início os Beatles sentiram muito, mas a carreira deles estava em jogo, e isto era prioritário. A boa notícia viria pouco tempo depois, com eles ainda em Hamburgo. No dia 9 de maio, Brian os comunicou que eles iriam fazer um teste na gravadora Parlophone, em junho, assim que retornassem.



Os Beatles retornaram de Hamburgo no dia 2 de junho, e o teste na Parlophone ocorreu no dia 6 de junho de 1962.



4ª passagem dos Beatles por Hamburgo

Local dos shows:

·         Star Club – Grosse Freihert nº 39


A 4ª passagem dos Beatles por Hamburgo para mais uma temporada no Star Club pode-se dizer que foi diferente das 3 anteriores. Em primeiro lugar a duração foi bem menor (1 a 14 de novembro de 1962). Eles ficaram hospedados em um hotel simples, porém de boa qualidade, que foi o Hotel Germania, situado na Detlev-Bremer Strasse, 8.



Esta, de certo ponto, mordomia se deveu a alguns fatos relevantes que aconteceram com os Beatles entre a 3ª e a 4ª viagem deles até Hamburgo.



O primeiro fato relevante foi a substituição de Pete Best por Ringo Starr na bateria. Pete foi informado por Brian Epstein no dia 16 de agosto que estava fora dos Beatles (até hoje, nas entrevistas que vem prestando ao longo dos anos, Pete não sabe explicar concretamente por que foi demitido dos Beatles).



No dia 19 de agosto, Ringo faz a sua primeira apresentação com os Beatles no Cavern Club. Com Ringo na bateria os Beatles melhoravam a sua performance.



Nos dias 4 e 11 de setembro os Beatles finalmente gravam o seu primeiro disco, o single Love me do / PS I Love You, nos estúdios da Parlophone em Abbey Road, com produção de George Martin, lançado em 5 de outubro.



Finalmente, 3 dias antes da viagem para Hamburgo, em 28 de outubro, os Beatles fizeram consagradora apresentação  no Empire Theatre, principal casa de shows de Liverpool.



5ª passagem dos Beatles por Hamburgo

Local dos shows:

·         Star Club – Grosse Freihert nº 39


Já gozando de um relativo prestígio na Inglaterra (em Liverpool eles já eram considerados  a melhor banda da cidade) e já tendo gravado as músicas do segundo single (Please please / Ask me why em 26 de novembro), os Beatles retornam ao Star Club em Hamburgo para realizarem mais uma curta temporada (18 a 31 de dezembro).



Eles ficaram hospedados no Hotel Pacific, em Neuer Pferdemarkt, 30.



Foi nesta temporada no Star Club em Hamburgo (a data não é precisa) que Adrian Barber (uma espécie de assistente de palco da boate), a pedido de Ted Taylor, líder da banda Dominoes que também se apresentava no Star Club, efetuou, com um gravador Grundig caseiro, a histórica gravação de uma das apresentações dos Beatles. Ted Taylor afirmou que John Lennon concordara com a gravação, em troca do pagamento por Taylor das cervejas consumidas pela banda.



Após intenso trabalho de limpeza, já que a qualidade do som era precária, as 30 músicas gravadas por Taylor e adquiridas não se sabe bem como por Paul Murphy, foram editadas em um histórico álbum duplo lançado em 8 de abril de 1977 pelo selo Lingasong, sem a autorização dos Beatles.



Estes acabaram se tornando os únicos registros em áudio que se tem conhecimento de uma apresentação dos Beatles em Hamburgo, na fase pré-beatlemania.

4 comentários:

  1. Homero, sá posso agradecer a sua gentileza de publicar no seu blog este texto (as fotos que você selecionou estão precisas). A intenção era divulgar para aqueles que não conhecem, esta fase importantíssima da carreira dos Beatles, mostrando como eles ralaram até se tornarem a maior banda de todos os tempos, e o seu blog é sem dúvida o veículo ideal. Grato mais uma vez.

    ResponderExcluir
  2. Descobri que Astrid Kirchherr tem uma loja de fotos e memorabilia dos Beatles a pouco mais de 2km de onde vou me hospedar, a K&K. Quem sabe é uma opção de programa diurno?

    ResponderExcluir
  3. Rapazes, voces são SHOW, SHOW, SHOW!! Parabéns, Homero e Renato, pela retrospectiva.
    Abr grde

    ResponderExcluir
  4. Estive em Hamburgo há alguns dias e só chegando lá é que descobri a relevância dessa cidade para a carreira dos Beatles. Existe até um passeio turístico direcionado aos fãs da maior banda do mundo. Muito interessante!

    ResponderExcluir