-

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

CeL - The Australian Pink Floyd Show

Capítulo 15
Farewell Dinner Mini MBA
Este é um mais um Capítulo do Projeto 

Capítulos anteriores:

Intro 1:  A terra do rock
Capítulo 1: CeL - Hyde Park
Capítulo 2: CeL - Abbey Road
Capítulo 3CeL - A Academia, A Visão
Capítulo 4: CeL - O Curso

Capítulo 5: CeL - Albert Hall, Regent, Oxford, Picadilly
Capítulo 6: CeL - Logradouros Project
Capítulo 7: CeL - Animals sem o porco
Capítulo 8: Cel - Beatles Walk
Capítulo 9: CeL - Tate Modern

Capítulo 10: CeL - London Eye
Capítulo 11: CeL - The Famous Square Mile
Capítulo 12: CeL - Mais Beatles Walk
Capítulo 13: CeL - East End - A Brodway Londrina
Capítulo 14: CeL - Farewell Dinner Turma Mini MBA


15 de abril de 2005
Como havia dito, encerraria minha estada em Londres com chave de ouro. Agora, qualifico um pouco mais: ouro 24 quilates! O local não poderia ser mais propício, o Albert Hall, de magnífica arquitetura vitoriana, em homenagem a Albert, marido da Rainha Vitória, que reinou durante o período da revolução industrial. Em cada uma das portas internas de entrada tem a lembrança de um grande show que a casa acomodou, este aqui ao lado, um show em prol de Montserrat, organizado por George Martin, em que simplesmente todos os nomes importantes do Rock estavam lá, é só olhar na foto!!! 

Interessante que a casa estava com mais de 50% de lugares vagos até 7:55 e, em 5 minutos, encheu completamente. O lugar em que eu estava, de preço médio, era ao lado da platéia, porém, as cadeiras são giratórias, portanto, não fiquei nem com torcicolo! 


O show, nada mais que uma banda cover de Pink Floyd, que anda pelo mundo tocando Pink Floyd, porém com o detalhe de que os instrumentistas são absolutamente perfeitos, magníficos e os vocalistas são especiais: os que cantam as partes originalmente de David Gilmour (são 2) têm a voz  muitíssimo parecida, já o que canta as partes de Roger Waters, apesar do timbre parecido, não tem a mesma potência. Os solos de guitarra são i-d-ê-n-t-i-c-o-s aos originais, o saxofonista toca e-x-a-t-a-m-e-n-t-e igual ao que se ouve nos discos. No vídeo ao final do post, "Us And Them". 


Os relógios de Time
No telão, redondo, marca registrada (com patente e tudo) pelo Pink Floyd, passam videos muito parecidos com os originais, com o detalhe bem humorado da inclusão da figura do canguru australiano, exemplo, as cabeças dos martelos marchantes de “The Wall” são cangurus correndo, o homem pegando fogo de “Wish You Were Here” aperta a mão de um canguru, quem voa entre as chaminés de Battersea Power Station de “Animals” é um canguru, ao invés de um porco, enfim, por aí vai. 

As canções, na ordem, foram: 
  1. In The Flesh 
  2. Learn To Fly
  3. Astronomy Domine
  4. Money
  5. Us And Them
  6. Why Don’t You Talk With Me
  7. Echoes
  8. Shine On You Crazy Diamond
  9. Welcome To The Machine
  10. Hey You 
  11. Time
  12. A Great Gig In The Sky
  13. Have A Cigar
  14. High Hopes
  15. One Of These Days
  16. The Happiest day Of Our Lives
  17. Another Brick In The Wall
  18. Comfortably Numb e, no bis, 
  19. Wish You Were Here ... e 
  20. Run Like Hell

Ponto fraco: nem uma canção dos LPs “Animals” ou “Atom Heart Mother”, esperava ouvir “Sheep” e “Summer of 68”, porém, perdôo-os. Ouvir "Echoes", de mais de 10 minutos, foi mais que eu esperava para esta passagem pela Terra. 

Pontos altos: a platéia estava adorando tudo, mas, a primeira vez em que veio abaixo, e aplaudiu de pé, foi com o desempenho da cantora “backing vocal” em “A Great Gig In The Sky”, perfeito, i-g-u-a-l-z-i-n-h-o ao ouvido em “Dark Side Of The Moon”, com a mesma energia, coisa que nem os shows da banda original haviam conseguido, ao menos os que eu ouvi em vídeo. A loira, realmente, arrebentou!

Depois, durante “One Of These Days”, o apoio inflou um enorme canguru sorridente de borracha, da altura do palco e, quando a música começa no ritmo batido, eles fazem o canguru dançar no ritmo, a platéia adorou! 

Depois, os solos finais, a-r-r-e-b-a-t-a-d-o-r-e-s, de “Comfortably Numb”, a platéia berrava, melhor dizendo, urrava de satisfação, nem parecia aquele grupo de respeitáveis senhores (e algumas senhoras) cinquentões, comportadamente sentados em seus acentos, balançando as cabecinhas e acompanhando as músicas durante o show. Foi, seguramente, o bis mais pedido, gritado, que eu já ouvi! Interessante foi notar que eles não fizeram a apresentação individual de cada um dos membros do show, mas acho que entendo: eles certamente acham que se perderia a magia, é melhor deixar todos pensando que ouviram o desempenho dos membros da banda original. 

Comentei no intervalo com um senhor que eles devem pagar um royalty altíssimo ao Pink Floyd para poderem sair pelo mundo faturando com o material de altíssima qualidade que eles tão suadamente elaboraram durante mais de 20 anos, algo em torno de 80% e ele respondeu que havia lido que, na verdade, o número era ainda maior, era 90%! 

Chego agora até a entender porque o Pink Floyd nunca mais gravou um disco, desde 1993, nunca mais fez um show, desde 1994, pra quê? Basta ficarem instalados confortavelmente em seus palácios (e são mesmo palácios), levando a vida de milionários que são e faturando alto com esta banda viajando pelo mundo. 

Enfim, Chave De Ouro para minha missão em Londres!!!!! 

Na volta pra o hotel, fiz um caminho diferente para poder passar em frente aos museus de Kensington, o Victoria & Albert, o de História Natural e o de Ciência e Tecnologia, que não deu para visitar, afinal não dá para agarrar o mundo com as mãos.

Próximos Capítulos

Capítulo 16: CeL - Do Vinho para a Água

Capítulo 17: CeL - This is Africa






Nenhum comentário:

Postar um comentário