-

segunda-feira, 26 de abril de 2021

The Quiet Beatle - em 6 capítulos


Em minha vida de escritor sobre os Beatles, 
O primeiro texto foi sobre os eatles como banda...
O segundo foi sobre a parceria Lennon/McCartney...
O terceiro foi sobre John Lennon...
O quarto foi sobre Paul McCartney...
George Harrison foi o objeto do quinto.
Aqui, minha homenagem a ele...



O fim da vida de George foi atribulado. Teve um câncer na garganta em 1997, que migrou para o pulmão, mas foram ambos debelados. Em 1999, sua casa foi invadida por um lunático, George lutou com ele, mas acabou esfaqueado 10 vezes, uma das estocadas passou a uma polegada de seu coração. Felizmente, sobreviveu para gravar e quase terminar seu último disco, o magnífico Brainwashed. Chega a ser uma benção você poder terminar uma carreira com um disco tão bom, leve, com letras elevadas. 

Infelizmente, George não sobreviveu para presenciar o lançamento do disco, que foi terminado por seu filho Dhani, então com 23 anos. Outro projeto que não viu concretizar-se foi a união da música dos Beatles com o conceito do Cirque du Soleil, idéia dele, que era amigo e admirador de Guy Laliberté, o bilionário canadense criador do grupo circense. Felizmente, Olivia tocou adiante o projeto e, com a ajuda de Paul, Ringo e Yoko, nasceu 'Love', um dos mais bem sucedidos espetáculos do melhor circo do mundo, bombando em Las Vegas há mais de 10 anos. George foi acometido no começo de 2001 por um câncer no cérebro (lembra o nome do disco?), que foi combatido por todas as técnicas possíveis, mas que acabou levando-o para outro plano, em novembro do mesmo ano. Morreu na casa de um amigo (mais um de seus muitos) em Los Angeles, cercado pela família e pelos amigos.
Certamente, ele não estava preocupado com a passagem. Estava serenamente aguardando por ela, pois era elevado espiritualmente. Olivia disse: "He left this world as he lived in it, conscious of God, fearless of death, and at peace.'
Ringo esteve ao lado dele em todos os momentos da doença. Numa ocasião, poucos dias antes do desenlace, Ringo disse que teria que sair para ajudar uma filha que estava com problemas, ao que, prontamente, George ofereceu ajuda, já se levantando da cama, ainda que combalido e debilitado pela pesada quimioterapia, e disse: 'If you need me, I can go with you!'

16 comentários:

  1. George era um gênio. Um artista completo.

    Infelizmente a sua carreira solo foi muito pouco divulgada no Brasil, por conta da sua gravadora (a Warner. Talvez por isto não tenha o reconhecimento que ao meu ver merecia ter.

    ResponderExcluir
  2. Fantastico! Um artista! Adorei o post!

    ResponderExcluir
  3. Homerix,
    Plenamente justificado. Vamos celebrar o que o George fez em vida. Que saudades! juntando títulos “My sweet Lord here comes the sun while my guitar gently weeps”, recordando momentos inesquecíveis...

    ResponderExcluir
  4. Houve uma celebração a Gorge Harrison que esta no you tube.

    https://www.youtube.com/watch?v=j9Dr1anRP9w

    ResponderExcluir
  5. George génio nito.Artista completo.

    ResponderExcluir
  6. George, ao invés de ficar somente criticando o egoísmo e a falta de solidariedade humana, foi lá e fez. Organizou o Concerto para Bangladesh, para ajudar e chamar a atenção para o drama da fome nesse pais asiático.
    Reuniu Éric Clapton Bob Dilan, Leon Russel, Ravi Shankar, Billy Preston e outros.
    O resultado não poderia ter sido outro: Um sucesso.
    Fernando CEP81.

    ResponderExcluir
  7. Bela homenagem a um cara fantástico e em paz consigo mesmo.
    George era um uma parte sem a qual o “todo Beatles” não se completaria

    ResponderExcluir
  8. Muito bom o texto... triste 😕🙌👏

    ResponderExcluir
  9. Você é uma enciclopedia Homerix. Foi bom saber sobre tantos feitos realizados pelo George Harrisson, principalmente os de cunho social. Na música pode não ter sido prolífico como um Lennon ou McCartney, mas nos deixou músicas belíssimas, dentre elas a que também considero a mais bela dos Beatles, o "hino" Something.

    ResponderExcluir
  10. Bela homenagem. Faltou algo que para mim é extremamente importante principalmente devido a fãs que preferem acreditar piamente que ele detestava Paul. Tudo isso baseado em livros feitos por pessoas que não o conheceu, e na midia de fofocas e em outros fâs chamados Paul haters. Sempre ignorando os fatos.
    Este tipo de coisa deixou Eric Idle meio indignado. Ele acabou fazendo altos elogios a Paul no dia que George foi introduzido na calçada da fama em Hollywood. A propósito, Ringo não estava presente. Paul estava. Ringo não foi porque teve como ir. Mas se fosse Paul o ausente teriam caído em cima dele. Paul estava lá abraçado a Dhanni. Paul visitou George poucos dias antes do seu falecimento. Foram 3 ou 4 horas os dois de mãos dadas. Paul tinha arrendado uma casa que pertencia a Cortney Love que era onde ficava quando ia a Los Angeles. Pois ele passou a chave para George. Foi lá na casa de Paul ( e que é realmente dele. Foi comprada por ele.) que George veio a óbito.
    Eu não lembro bem das palavras de Eric Idle no seu discurso...e foi muito engraçado, claro. Mas ele disse sobre o tanto que Paul foi prestativo para com a viúva e filho dando todo suporte num tempo tão difícil para ambos. A camara mostra os dois enquanto Idle fala e vemos que balançam as cabeças como em concordância. Paul cuidou tanto deles que hoje Dhanni considera Stella como sua irmã!

    ResponderExcluir
  11. Que maravilha conhecer mais sobre George Harrison. Desde que eu soube ser ele o autor de “Something”, gravada por vários cantores, inclusive Frank Sinatra, passei a valorizá-lo devidamente.
    Parece ter sido o mais generoso e o mais sofrido dos Beatles, com Ringo acompanhando seus momentos mais difíceis. Câncer na garganta, no pulmão, facadas dadas por um lunático que invadiu sua casa, tudo foi debilitando seu corpo frágil. Finalmente um câncer no cérebro levou-o para o outro plano, serenamente, crendo em Deus, sem medo da morte. E o último disco, que ele quase terminou, chamava-se, não por acaso, _Lavagem Cerebral_ (_Brainwashed_). George, o mais quieto dos Beatles.

    ResponderExcluir
  12. Não sabia que tinham sido dez facadas. O Guardina fala em cinco. E que George tentou distrair o intruso cantando Hare Krishna. Bem típico de George. Olivia o salvou.

    Outro coisa que ele fez que adoro: O Travelling Willbury. Tenho dos dois CDs.

    Lindo ele informar que existe um Espirito Beatle. Viu essa declaração dele? Quando perguntaam do motivo de sua união tão forte com o pessoal do Monty Python ele teria respondido algo assim. " O Espirito dos Beatles baixou no Monty Python. Então eu tive de me uniar a eles."
    Com isso, além de nos revelar a existencia desse Espírito ( eu bem que desconfiava) ainda mostrou seu amor pela banda. Se o Espirito Beatle baixou lá...ele tinha de ir para lá...claro!

    ResponderExcluir
  13. Que linda ideia ele teve de que o Cirque Du Soleil fizesse um show com músicas dos Beatles. Veja que ele nao pediu por suas músicas appos a separação. Pediu por músicas dos Beatles. E assim foi feito. Espero que algum dia seja disponóivel em DVD ou algo assim. Os trechos que vi são maravilhosos. E o nome agora? Love. Perfeita escolha. Soube que foi sugestão do próprio George. Nâo tenho confirmação, mas não duvido porque ele tinha dito ja tinha falados sobre isso antes. Que a palavra que definiria melhor os Beatles seria Love.
    Seu concerto para Bangla Desh foi o pioneiro nessa coisa de cantores se unirem por uma causa. Portanto ele não era nada quieto. Sabia agir.
    Gostava de jardinagem...O Beatle jardineiro. Deu a muda de um pinheiro para Paul que o plantou na sua residencia de East Sussex. E recentemente Paul disse que George está morando lá. Paul conversa sempre com ele ao passar pelo pinheiro. :)

    ResponderExcluir