-

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Nowhere Boy

A semana Lennon, 'celebrando' as 3 décadas sem ele, teve ótimas atrações.

Na telinha, vários documentários, e na telona, o filme 'O Garoto de Liverpool', excelente, tanto para leigos como aficionados.

Ele dá uma abrangente visão sobre a adolescência de John. O nome em inglês não poderia ser melhor, 'Nowhere Boy', que é uma alusão a 'Nowhere Man', uma das grandes canções de John como beatle, e retrata o estado de espírito de John durante toda sua vida, até que encontrou Yoko, tenho que reconhecer, um conflito permanente.

Mostra sua relação com Tia Mimi, que o criou após ser abandonado por pai e mãe, severa, mas amorosa. É marcante seu reencontro com Julia, tresloucada, alucinada, mas responsável pelo John que conhecemos, afinal ensinou-lhe os primeiros acordes, num banjo. E é muito bem feita a cena em que ele treina no instrumento o dia todo, até tocar ao final, uma música inteira.

Conta suas loucuras juvenis, suas brigas, seu comportamento com garotas nada recatadas. A ironia, o humor, a acidez de John estão sempre presentes. Os diálogos com o o diretor da escola, onde ele só aprontava, são hilários. E a fala final com Mimi, é de arrepiar. Todos eles com poucas palavras, mas que vão direto ao ponto.

Tem outros acontecimentos que não posso antecipar, pra não estragar, mas tem alguns que eu posso, e conto, até para os leigos prestarem atenção!!!
  1. O encontro com Paul McCartney, em julho de 1957 quando após um show no auditório de uma igreja, ele é trazido à presença de John por um amigo comum, o mundialmente conhecido Ivan Vaughn (o responsável pelo encontro do século, a quem agradecemos sempre, todos os beatlelovers). Paul dá um show, tocando 'Twenty Flight Rock' em seu violão ao contrário (pois é canhoto), impressionando a todos.  Arrepiante! 
  2. Os momentos de composição de John e Paul, na casa de Mimi, onde fica claro que John aprendeu muito com Paul, que era muito mais interessado na música em si. E foi também Paul quem incitou John a compor. Revelador! 
  3. A viagem de ônibus aonde Paul apresenta George Harrison a John. Histórico! 
  4. A primeira gravação, em um estúdio de rua, graças a um dinheiro de Julia, onde cantam 'In Spite of All the Danger', uma das primeiras composições de Paul, na verdade uma McCartney/Harrison, desconhecida do grande público pois não esteve em nenhum dos discos originais.  Ela era levada por John no lead vocal e Paul e George no backing, compartilhando o mesmo microfone de John, coisa que viriam a fazer maravilhosa e plasticamente muitas vezes como profissionais. Emocionante! 
  5. Os créditos finais acompanhados por uma versão preliminar de 'Mother', das melhores canções de John em carreira solo, cuja letra é um retrato do drama que sempre viveu. Tocante!

O ator agraciado com a honra e a responsabilidade de interpretar um ícone como John Lennon chama-se Aaron Johnson e mandou bem. Seu sotaque esteve perfeito, e a dramatizaçäo, necessária ao drama que foi a vida de John, foi a contento.

Seu grande defeito foi ser mais bonito que John. Além disso, mais bonito que o Paul do filme, o que deixou meio estranha, por exemplo, a ironia que faz em um show, ao apresentar o amigo como Paul McCharmingly. E, claro, ficou meio fora de foco o fato de ter olhos azuis, e o pior foi que aqueles olhos foram tomados em close, várias vezes. Um par de lentes de contato resolveria o problema.

Depois, ao ler uma entrevista como diretor do filme, Sam Taylor-Wood, vi que na verdade tratava-se DA diretorA Sam Taylor-Wood, 42 anos, daí a atração por aqueles olhos, e por outras partes daquele ator de 19, pelo qual se apaixonou, e até teve com ele um filho...

Resta saber se ela se apaixonou pelo ator ou pelo personagem...

O Bonequinho d'O Globo aplaude sentado, com o que eu concordo, para o público leigo.

Para beatlemaníacos, o Homerinho aplaude de pé!!!

I strongly recommend it!!!

Homero Somewhere Ventura

16 comentários:

  1. Parabéns pelo seu blog! Desejo muito sucesso nessa iniciativa. Tenho certeza que em breve você terá muitos seguidores e admiradores.

    ResponderExcluir
  2. Vimos o trailer desse filme nesse final de semana. Ficamos com mta vontade de ver...vimos o trailer antes de vermos Vicky Cristina Barcelona. Alias, recomendamos. Filme de Woody Allen...mto legal. E com certeza assistiremos o Nowhere boy....

    ResponderExcluir
  3. Pelo seus comentários acabo de assistir o filme...
    GOSTEI, senhor!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Vi aqui. Muito bom mesmo.
    abs!

    ResponderExcluir
  5. Acho que tá passando da hora de desenhar um Homerinho....
    Sempre boas dicas e ótimas resenhas. Já te disse isso, mas você bem que poderia ter uma coluna semanal (ao menos no jornal de bairro...).

    Beijão

    ResponderExcluir
  6. Thanks for this wonderfulllllllllll texto.
    Paulus

    ResponderExcluir
  7. Obrigado pela resenha e recomendação, Homero. Já estava interessado em assistir, agora mais ainda. A propósito, minha mulher também leu seu depaulimento sobre o show em São Paulo e gostou muito.
    Um abraço,

    ResponderExcluir
  8. Amigo, você faz isso muito bem. Parabéns.

    ResponderExcluir
  9. Isso é que é deixar a gente com água na boca! Claro que não perderei por nada!

    ResponderExcluir
  10. Homero

    Seu depoimento sobre o filme bate exatamente com a opinião de amigos beatlemaníacos que também assistiram Nowhere Boy.

    Ao que me consta, o primeiro encontro do John com o Paul ocorrido em 1957, jamais havia sido cenarizado. Para mim é o clímax do clímax.

    Normalmente estes grandes momentos históricos não são registrados, nem em filme e nem em fotos. Fica sempre na imaginação de cada um como os fatos efetivamente ocorreram. É como se existissem várias verdades, já que não existem registros reais.

    Aí, quando alguém com credibilidade resolve reproduzir a cena, seja em filme, teatro, foto, etc..., ela passa a ser uma espécie da cena verdadeira.

    Guardada as devidas proporções, e fazendo um paralelo entre Beatles e futebol (duas grandes paixões na área do entretenimento), podemos dizer que também estão no no imaginário popular (já que não existe registro real), assim como o encontro John e Paul, dois dos maiores momentos protagonizados pelo maior jogador de todos os tempos, Pelé. que são os gols de placa contra o Fluminense no Maracanã, e o famoso gol dos lençóis contra o Juventus na Rua Javari.

    Cá prá nós, não sei o que é melhor, se é continuar do jeito que está, ou seja, cada um de nós, que somos apaixonados, termos as nossas próprias imagens dos fatos que certamente criamos com algum exagero, ou conhecer a versão verdadeira (vai que aparece um filme destes que estão escondidos a tempos e que alguem vasculhando um baú velho acaba encontrando. Vira e mexe agente se depara com notícias deste tipo) e ela acabar nos decepcionando?

    Prefiro não arriscar.

    Abraço

    ResponderExcluir
  11. Com esse seu texto, é claro que vou!!!!
    Impossível não se envolver.

    ResponderExcluir
  12. Vou tentar assistir.... prometo!

    Neste fim de semana fui ver O Pequeno Nicolau..... tb recomendo (já está há muito em cartaz.... mas tudo bem! vale a pena!)

    ResponderExcluir
  13. Merix,

    Brilhante a sua síntese da semana John Lennon. Há muitas passagens que são recorrentemente emocionantes. Um pequeno ajuste: o que é um violão ao contrário? Não seria melhor chmá-lo de violão especular ou sinistral? ou então aplique os conceitos da isomeria química. Noto, entrementes, que você continua insistentemente perdendo tempo com esse boçal bonequinho de O Globo.

    Hugs,

    ResponderExcluir
  14. Ótima dica, Homero. Deve ser imperdível mesmo. Vou conferir.

    Abs,

    ResponderExcluir
  15. Ola,eu sou Mariana e também sou muito fã de Beatles e filme favorito também é Basatrdos Inglórios.Tenho tres blogs:1 sobre Beatles,o meu oficial e um sobre a Eva Braun se vc pude entrar um ficarei muito agradecida.Obrigado,Mariana.
    http://marianastarkey.blogspot.com/ omu blog oficial
    http://blogdaevabraun.blogspot.com/ Blog da eva Braun
    http://ticktoride.blogspot.com/ Beatles

    ResponderExcluir
  16. EXCELENTE FILME.MAGNIFICA INDICAÇÃO.COMO SEMPRE...

    ResponderExcluir