-

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Jornalista Aponta Culpados

Eu já produzo muita abobrinha, com meus textos de própria lavra, palavras ao vento, que muitas vezes nem são lidas.

Então, pra não encher mais o saco, eu não costumo divulgar textos de outrem, mas decidi que devia abrir uma exceção para este texto do jornalista Sylvio Guedes!!

Lembrou-me da lição que foi Tropa de Elite (o primeiro), em que o personagem Matias pega um jovem pelos colarinhos e diz:
Seu fanfarrão, maconheirozinho de merda, filhinho de papai, tu é que financia essa porra de tráfico!!!

O Felipe usou muito essa frase, na época, logo que assistiu ao filme, dirigindo-a a muitos amigos, misto de brincadeira e aviso sincero. Antes, ele tentava fazer um patrulhamento, mas acabava desistindo, e aproveitou o filme para voltar à carga.

Outra pressão que ele usava era:
"A cada tragada sua, alguém pode estar entrando num microondas".
Bem, pra quem não viu, trata-se da pilha de pneus em que o desafeto é colocado, antes de tocarem fogo a ela. O equipamento foi-nos apresentado no filme.

Infelizmente, a coisa continua, e esse corajoso jornalista coloca a mesma questão sob o enfoque de outra droga.


E de outra classe profissinal ... a sua própria .... e assemelhados....

E se declara culpado...
A confissão dele, neste link...

Homero Sem Essa Culpa Ventura

30 comentários:

  1. Que preciosidade...Obrigada.

    ResponderExcluir
  2. Homero,
    Embora não responda nunca, sempre leio e aprecio seus textos.
    Quanto ao artigo anexo, considero-o a melhor sintese sobre quem são os verdadeiros responsaveis pela degradação a que chegamos.
    Vou repassa-lo aos meus aborrecentes, uma vez que reforça minha tese de que somos sempre os responsaveis e arquitetos do nosso proprio destino e, frequentemente , atraves das nossas escolhas, interferimos fortemente em outras existencias.
    Continue escrevendo.
    Abs,

    ResponderExcluir
  3. Bom dia Homero, tuas "abobrinhas" sempre são lidas. Aliás você é muito profícuo e profundo nos textos. Ler é uma coisa, já responder é bem outra. Dá para comentar uma coisinha aqui e outra ali. Afinal poucos tem o domínio para escrever com facilidade (suponho) e elegância (afirmo) como você.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  4. Bom dia Homero, tuas "abobrinhas" sempre são lidas. Aliás você é muito profícuo e profundo nos textos. Ler é uma coisa, já responder é bem outra. Dá para comentar uma coisinha aqui e outra ali. Afinal poucos tem o domínio para escrever com facilidade (suponho) e elegância (afirmo) como você.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  5. Hahahaha! Que exagero! Eu pelo menos leio tudo, (assim que tenha tempo). O meu recorde foi ler a mensagem de ano novo em outubro! :-D

    ResponderExcluir
  6. Verídico e reflexivo o texto do Sylvio Guedes!

    A frase que você citou do Tropa de Elite I me marcou muito, pois com outras palavras era o que eu falava para amigos que num momento estavam recrutando voluntários pra ONGs e mutirões para obras sociais e em outro (ou até no mesmo) estava fumando, ou outras cositas más, alimentando a violência gerada pelo tráfico. Parecia um comportamento bipolar... Eu não pegava pesado como o Matias, ou não era tão verdadeira como o Matias... Mas sempre pensei isto! Legal que esta consciência esteja se propagando!

    Abraço,

    ResponderExcluir
  7. Muito bom Homero!
    Só não concordo que suas palavras são abobrinhas e jogadas ao vento...rsrsrsrrsrsrsrsr
    É muito bom ver pessoas propagandos seus ideais ora sociais, ora culturais, com tamanho entuasiasmo e dedicação.

    Bom dia!

    ResponderExcluir
  8. O cara matou a pau! tudo que ele diz é verdadeiro, infelizmente.

    Excelente texto.

    ResponderExcluir
  9. Homero,

    Olha, sei não... Eu pessoalmente não uso drogas, mas acho complicado culpar os usuários pela situação do Rio. Afinal, no mundo inteiro há usuários e não há essa volência absurda. Tem também há muita exportação e principalmente uma corrupção sem fim, né?

    Por isso mesmo sou a favor da liberação do uso de drogas (com regras de uso obviamente) pra acabar com essa renda do mercado negro e ver se melhoras, mas até conseguirmos chegar nesse pon to, nem sei se estarei mais viva pra ver!

    Bom dia!

    ResponderExcluir
  10. Chefe Homero

    Esta é a pura verdade.

    A hipocrisia de uma grande parte da sociedade carioca, que se diz formadora de opinião, artistas, (veja Fábio Assunção), intelectuais, etc. que fazem eventos de paz, abraçam a cidade, o Cristo Redentor, etc., etc., não passam de fomentadores de toda essa guerra, terror, insegurança.

    Nunca participei ou colaborei para esses tipos de eventos pois pensei dessa maneira, sem consumidor não vendedor, não produtor.

    Penso que como acontece com o cigarro, o governo deveria bater firme em propagandas contra o consumo de drogas, mas, como me parece, o gaúcho parecia incentivar mais o consumo e o trafico e penso que muitos políticos, advogados, entre outros, são financiados pela renda desses "barões".

    Não votei no Gabeira, por achar que ele faz parte dessa turma que incentiva, indiretamente, o tráfico de drogas.


    Sds

    ResponderExcluir
  11. Concordo com a tese de que esse problema foi gerado por uma parcela da sociedade consumista, vazia, leniente, que foi se tornando conivente assim como vítima do monstro que ajudou a criar. Sou cético em relação as chances de sucesso desse movimento contra os traficantes, pois estão infiltrados na sociedade e nas instituiçôes (polícia, judiciário, política, etc.)
    Por que o governo nunca fez uma campanha maciça anti-drogas na mídia e ao invés disso permite uma programação nociva, que dita comportamentos a todo um país e que direta ou indiretamente contribui para tornar as pessoas mais vulneráveis a "recursos artificiais" para conseguirem se sentir vivas. Já assistiu o vídeo " A história das coisas" ?.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  12. concordo plenamente!!!
    é lei da oferta x procura!
    essa gente que só fala de bandido pra reclamar que roubaram seu rolex... mas esquecem que tão financiando isso aí com suas cheiradinhas inofensivas! Pior é ouvir: "se fosse só eu, pararia! mas é muita gente e eu não vou mudar o mundo!"... lamentável!
    pelo menos durmo tranquilo sabendo que faço minha parte!
    abçs.

    ResponderExcluir
  13. Acabei de receber essa nota e estava para enviar para vc, o impressionante com toda a exposição da mídia sobre o tema, toneladas sendo queimadas na CSN e nenhum reporter fala dos consumidores.

    Para sua analise, veja a minha opinião, que ate que me provem o contrario e a única solução para esse problema:

    Só existe uma solução, a ONU aprova uma resolução para os laboratórios e empresas de tabaco comercializarem a cocaína e maconha com receita medica controlada, transferimos o problema para cada família individualmente o governo se preocupa em criar centros educacionais e de tratamento com os impostos arrecadados, como existe para os alcoólicos. Os fabricantes de armas, bancos e outros e que não vão gostar porque acaba com o caixa 2.

    Abraço,

    ResponderExcluir
  14. Legal mas me parece ser antigo, não?
    Aliás, o preço da droga deve ter subido um bocado pois quem ainda tem deve estar se aproveitando...

    ResponderExcluir
  15. E só quem compra droga é o rico, justamente porque droga é cara, pobre, quando se vicia, muitas vezes comete assaltos para poder financiar seu vício, mas a grande maioria da massa de viciados, que dá sustentabilidade ao tráfico é oriunda das classes média,média alta e até mesmo da classe rica, então esses que são responsáveis pelo poderio do tráfico, e depois ainda reclamam, reclamam da própria merda que contribuem a fazer, aliás, a sociedade é muito engraçada, com seus paradoxos, tudo o que existe foi inventado por ela, e todos reclamam do crime, da violência, da desigualdade social, como se estivessem totalmente isentos de tudo o que ocorre, como se eles mesmos também não contribuíssem para isso tudo. Inventamos a bomba, e formos aos ares com ela, inventamos a roda, e fomos atropelados por ela, o ser humano é o único inseto capaz de inventar o seu próprio inseticida. Quem contribui para algo, por questão de coerência, não pode reclamar de nada depois.

    Um exemplo: os EUA, que vêm com sua arrogância caracterísitca dizer que o interesse deles em países de 3o. mundo e ditaduras é combater o tráfico, é aniquilar os traficantes, se formos parar para pensar nesse contrassenso, quem são os maiores consumidores de droga do mundo? São os próprios EUA. Como então, combatem e financiam ao mesmo tempo????

    Essa frase do Tropa 1 não me causou tanto impacto poque eu já sabia disso muito antes, não precisei do filme para chegar a essa conclusão, que era muito óbvia, e eu mesmo já tinha falado isso muito antes do filme, portanto, a frase que eu mais gostei foi a do 2, " Cada cahorro que lamba a sua caceta, capitão". A sociedade funciona assim. As pessoas são imediatistas, egoístas e egocêntricas, são individualistas ao extremo, para mim, esses são os piores pecados de todos, a inveja e a vaidade, que combinadas, acabam por levar à ganância, tái a raiz de todos os males, não existe nenhum crime que não passe por um desses dois pecados, e para mim, pecado é muito pior que crime.

    Abraço,

    ResponderExcluir
  16. Homero, particularmente, acho que um mercado internacional desse tamanho é muito difícil desaparecer por meio de campanha moralista ou de decreto (ou mesmo lei). Vide a experiência dos EUA com a Lei Seca. Talvez fosse o caso de mudar o financiado para o Estado e regularizar a situação do produtor e da respectiva cadeia de consumo, com altos impostos por toda ela, a fim de que esses recursos financiem os efeitos colaterais desse mercado e ainda sobre algum. E também muita regulação desse mercado, com severas penalidades para seus transgressores. O problema aqui é que a impunidade que reina no Brasil tornaria essa regulação mera letra morta. Ou seja, o problema é muito mais complexo do que a droga em si, pois passa pelo binômio corrupção x impunidade. Não é à toa que o Tropa de Elite 2 termina no Congresso. E que um dos autores do livro que deu origem ao filme diz, entre outras coisas, que melhor seria as forças federais ocuparem a polícia do Rio, e não as favelas. Veja recente entrevista dele: http://www.tvcultura.com.br/rodaviva/programa/1232 (o 2º e 3º blocos parecem estar com problema, uma pena).

    ResponderExcluir
  17. Excelente. Adorei o:
    Inventamos a bomba, e formos aos ares com ela, inventamos a roda, e fomos atropelados por ela, o ser humano é o único inseto capaz de inventar o seu próprio inseticida
    Abraço

    ResponderExcluir
  18. QUE ARTIGO ESPETACULAR E NECESSÁRIO! É PRECISO QUE ELE ENCABECE UMA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DESSES PSEUDO BRASILEIROS QUE , JUNTO COM OS TRAFICANTES, ESTÃO ACABANDO COM ESSE PAÍS! PERFEITO! SE NÃO ME ENGANO, HOMERO, ESSA FOI A MINHA INDIGNAÇÃO QUE LHE PASSEI ATRAVÉS DE UM EMAIL. ESSES BABACAS ASSASSINOS TÊM MESMO DE FAZER UM MEA CULPA E PARAR DE ACHAR QUE É CHIQUE, BACANA, MODERNO, USAR A MALDITA, SEJA QUAL FOR. É A HORA DO GOVERNO ACABAR COM ELES TB, SE SOUBER USAR A CABEÇA. É HORA DE CRIMINALIZAR O USO PARA QUE OS SAFADINHOS NÃO PROCUREM MAIS DROGAS E NÃO PERMITAM QUE SURJAM NOVOS FOCOS, QUE OS CRIMINOSOS QUE FUGIRAM SE ARMEM NOVAMENTE. MEU DEUS, O QUE EU NÁO DARIA PARA ESTAR NO LUGAR DA DILMA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  19. Esqueci de dizer, o Luciano Huck é um desses hipócritas, um drogado clamando pelo fim do poder paralelo, será hipocrisia, ou a droga o afetou a tal ponto de perder a consciência de que ele mesmo contribui para tudo isso? É phueda mismo.

    ResponderExcluir
  20. Prezado Homero,

    Lembrei-me da história do pai que matou o filho adicto e em seguida se suicidou, ao ler o texto do jornalista Sylvio Guedes.
    As realidades do mundo dos tóxicos, lícitos ou ilícitos, estão permeadas de brutalidade e morte.
    Infelizmente, o exercício da espiritualidade, na sociedade capitalista, está desaparecendo.
    Os valores espirituais renovam o ser humano e permitem o fortalecimento do caráter.
    Procuro sempre solicitar aos amigos para levarem aos seus lares a prática da espiritualidade.
    Preencher o coração com a bondade e voltar suas mentes para a obra de Deus em suas famílias e comunidades.
    Esta é a base para uma vida plena!
    Abraços,

    ResponderExcluir
  21. Bacana o texto. Recentemente, me mandaram esse, do Luiz Eduardo Soares. Acho que vai gostar, e vale à pena divulgar:


    "Uma visão real e verdadeira dos fatos que estão acontecendo aqui no Rio, vale o tempo da leitura.

    http://luizeduardosoares.blogspot.com/2010/11/crise-no-rio-e-o-pastiche-midiatico.html "

    ResponderExcluir
  22. Obrigada pela mensagem, Homero.
    Repassei o texto aos amigos
    um abraço

    ResponderExcluir
  23. O usuário de drogas deveria ser enquadrado como financiador do tráfico, logo como criminoso também, talvez só com uma pena mais leve que a conferida ao traficante. Ninguém vira dependente de drogas por ignorância. Ninguém consome drogas por ser obrigado. Então essa foi uma condição almejada e que financia o tráfico e os demais crimes relacionados a ele. Assim, o consumo de drogas deveria ser tipificado como crime da mesma forma que outros crimes o são.

    ResponderExcluir
  24. Adorei o "sem culpa"

    ResponderExcluir
  25. assino embaixo a petição...

    ResponderExcluir
  26. Homero;
    Este realmente é um ponto delicado, que tenho até medo de defender entre os colegas, porque sem dúvida nenhuma serei achincalhado. Mas concordo em gênero número e grau. Minha analogia são sempre os elefantes. Muitos colegas insistem em comprar marfim (especialmente em meus tempos de Nigéria), mas ao mesmo tempo acham muito importante a preservação dos elefantes, inclusive gastando dinheiro (e muito) para ir ao Quênia ver estes animais lindíssimos de perto. Não é uma total falta de coerência?
    Mas tem outra coisa que me incomoda muito nesta história. Acho que vou ser um pouco bairrista, ou “antibairrista”, ou preconceituoso, ou sei lá que categoria vão me classificar. Mas a miopia dos cariocas é uma coisa absurda. Especialmente dos jornalistas, que deveriam ter a capacidade de ver as coisas com “olhos globais”.
    Escuto bastante a CBN pela manhã e gosto muito dos comentários políticos da Lúcia Hypólito. Mas como muitos outros repórteres cariocas, quando se trata de Rio de Janeiro eles se tornam míopes.
    Durante os eventos da semana passada e deste final de semana houve uma entrevista com um ex- secretário de segurança do governo federal que fez algumas afirmações polêmicas, mais especificamente dizendo que as UPPs eram um remédio, mas não a solução. Acho que isto é óbvio e não vejo o porquê de alguém se sentir ofendido por esta afirmação. A solução é a eliminação do problema: a pobreza, a droga, etc. As UPPS são um excelente remédio, mas não a solução final.
    Bom, logo depois veio o comentário da Lúcia que proferiu cobras e lagartos sobre o sujeito, que ele não conhecia a realidade brasileira, etc., etc. e etc. Mas o que mais me chocou foi quando ela afirmou que o Rio como sempre estava na vanguarda de tudo. Era o carro chefe do Brasil e que as ações da polícia + exército eram a prova disto. E além do mais, que era obrigação do governo federal auxiliar o estado do Rio neste momento.
    Meu Deus, em nenhum momento pára-se para pensar nas reais causas desta lambança toda. Onde está a autocrítica. Quando vão olhar para o próprio umbigo?
    De que vanguarda falava ela? Para mim o Rio está na vanguarda da falta de educação, da falta de senso de comunidade, de falta de respeito ao cidadão pelos próprios cidadãos, da exclusão social, da sujeira, da corrupção e do descaso. Acho um crime o que fazem com esta cidade relamente maravilhosa. Como é que foram deixar um lugar que criou a Bossa Nova e o Paulinho da Viola chegar nesse ponto? Não foi culpa de ninguém a não ser deles mesmos.
    Então, quem é o culpado pela lambança? Com certeza inicialmente foi o governo municipal, depois o estadual e agora, lógico, não há solução sem ajuda do governo federal. Mas daí a querer jogar a responsabilidade ao governo federal eles é demais.
    Me desculpe (ops!) a sinceridade, mas o carioca me parece aquela criança mimada que faz um monte de besteiras e quando a coisa fica meio séria, vem o papai resolver as “paradas”.
    Eu acho muito bom o que está acontecendo, apesar de ser claro que deixaram a turma escapar pelos bueiros. Não havia porque dar 24 horas para os bandidos “pensarem”. Mas talvez tenha sido uma solução razoável, sem banho de sangue, mas com uma grande desestruturação da “empresa” das drogas. Mas, e agora? Como vão manter esta logística? Como vão manter estes homens incólumes aos apelos dos cocadólares? Como vão desestabilizar também a rocinha? É aí que eu concordo com o desafeto da Lúcia Hypólito. A coisa não é tão filme americano assim, pois não acaba agora. Ainda tem muita coisa para acontecer e eu sinceramente não acredito que vão conseguir manter o tráfico parado. Acho que em breve as coisas se reestruturam.
    Bom Homero. Sei que você gosta que comentem seus e-mails. Mas acho que agora eu exagerei. Na verdade eu queria ter escrito à Lúcia, mas fui deixando para depois...
    É isso. Um grande abraço

    ResponderExcluir
  27. Acho que está havendo em alguns jovens esse efeito que ocorreu com o Felipe. É muito legal quando isso acontece!

    bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  28. Muito bom, há muitos fanfarroes por ai que não se dao conta, ou fingem isso, de que estão insuflando a criminalidade e a violência. O conhecimento desta realidade através de livros e amigos foi certamente o que sempre me manteve afastado das drogas, talvez mais por medo do que por consciência social...

    ResponderExcluir
  29. Adoro suas abobrinhas Homero!
    Otimo texto e vou mandar p pessoal aqui.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  30. Li. Ninguem vai por o adesivo. Melhor seria ele apregoar atos como o do felipe. Abr jc

    ResponderExcluir