-

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

De Placa!

artigo escrito em 5 de março de 2011

Revivo agora, em homenagem a Joelmir Beting, 
morto há 1 ano, de uma doença auto-imune!!!
Nossa!! Já faz UM ANO!! Como passa o tempo...
_______________________________________________________

Descumpri minha promessa de não produzir nada novo no Carnaval graças a um amigo que me avisou: hoje, 5 de março de 2011 completa 50 anos um grande feito do futebol! 

Não poderia deixar passar em branco este entaniversário!!! (ver explicação beatle para o termo em http://blogdohomerix.blogspot.com/2008/07/entaniversarios.html)

Assim como os Beatles tiveram vários fatos que foram 'a primeira vez na história da música' (e foram dezenas deles), Pelé também contribuiu com vários 'pela primeira vez na história do futebol'. Neste que conto hoje, não foi propriamente ele, mas foi ele quem provocou. Foi dele o gol que  suscitou a criação do termo 'Gol de Placa', pois mereceu a confecção de uma placa comemorativa de sua autoria. A idéia foi de Joelmir Beting, então um jovem repórter que assistiu à jogada, boquiaberto. Desde então, gols de extrema arte são classificados como 'gols de placa', e poca gente sabe da história que há por trás do termo.

Segundo 'O Globo' daquele longínquo 6 de março de 1961,

De fato, o gol foi tão espetacular que arrancou aplausos de todos os torcedores que, de pé, esquecendo-se de suas paixões clubísticas e embora empunhando bandeiras tricolores, proporcionaram uma cena jamais vista no Maracanã. Foram quase dois minutos de palmas, contados a relógio, enquanto Pelé desaparecia debaixo dos abraços dos companheiros.

Quem quiser saber um pouco mais, neste link tem uma descrição boa, e um depoimento de quem participou da jogada, de quem sofreu com o 'crioulo'. 

Pausa para ilação sobre preconceito: na época, usava-se o termo 'crioulo', ou mais foneticamente 'criôlo', livremente por aqui, assim como na 'America', o termo 'nigger', portanto, por favor adeque o termo à época do feito. Inclusive, dizia-se que as letras CCCP, que ostentavam as camisetas vermelhas dos jogadores russos da década de 1960, significavam 'Cuidado, Camarada (com o) Crioulo Pelé'. Na verdade, significava 'União das Repúblicas Socialistas Soviéticas'. Aliás, o termo 'russo' aplicava-se a todos os nascidos naquele enorme mancha vermelha que víamos nos mada-mundi de então, não importava se eram russos, ou ucranianos, ou lituanos, ou azeris, ou chechenos, aliás (2) poucos sabiam da existência daquelas repúblicas que hoje são livres...

Interessante notar: se Joelmir Beting já era repórter de campo profissional em 1961, que idade tem ele hoje, locutor ainda ativo na Band?

Imagem do lance do Gol de Placa

 É impressionante que há imagens gravadas dos outros gols do jogo (Pelé, Pepe e ... Jaburu), em que o Santos bateu o Fluminense por 3x1, no Torneio Rio - São Paulo, mas desgraçadamente não as 'do' gol que viria a ser 'de placa'. Uma interessante história do ocorrido está neste video que tem uma reportagem de 10 anos atrás, do Globo Esporte. (perdoem as propagandas do video)

Eles tentaram recriar o gol, usando como dublês os jogadores juvenis do Fluminense. E veja só quem fez o papel do Rei. Hoje, ele é nem é mais atacante, nem joga no Fluminense, mas sim no seu maior rival, que ironia...

Pelé elege como seu gol mais bonito um gol que ele fez dois anos antes, contra o Juventus, num Campeonato Paulista de 1959, em que driblou quatro jogadores, e do qual, coincidentemente, também não existem imagens gravadas. 

Mas este foi feito num torneio de grande expressão, contra um grande time, e foi no Maior do Mundo (o Maracanã). É este que merece 'A Placa'.

Pronto, missão cumprida!!!

Homero Sempre Saudando O Rei Ventura


6 comentários:

  1. Muito bom, Homero, muito bem!
    Obrigada pela matéria, as histórias do futebol são sempre emocionantes e oportunas.
    Abraços, Marilia

    ResponderExcluir
  2. Muito bem Homero, futebol é educação e cultura. Pelé tem sido um excelente exemplo, predominando o cidadão em qualquer situação. Infelizmente não se pode dizer o mesmo do Flu, grande clube que teve a sua história manchada por atitudes que não ajudam a educar a ninguém. As contundentes viradas de mesa, praticadas e consolidadas na virada do século, deveriam ser gravadas igualmente num placa, como exemplo de ações incompatíveis com a educação moral e civismo.

    ResponderExcluir
  3. Meninos, eu VI! Vi mesmo, pela televisão que, naquela época, transmitia os jogos em direto (claro, ainda não havia o VT). Foi um jogo do extinto Torneio Rio-São Paulo. Vi, fiquei de boca aberta, olhos abertos, alma aberta. Parecia que de repente, todos os jogadores adversários tinham sido congelados, como se alguém tivesse gritado "freeze!" para a turma do Fluminense. Só o Rei continuava correndo, com a bola nos pés. Foi lindo!

    ResponderExcluir
  4. Valeu, aprendi mais uma.
    Abraco,
    Igrejas

    ResponderExcluir
  5. Beleza Homerix,
    Voltando à real, começo a me informar através de seu Blognews... Beleza mesmo.
    Passarei, para o seguinte, na parte da tarde!!!!!!!Abração a você e a todos da familia do coadjuvante principal.
    Paulus

    ResponderExcluir
  6. Como curiosidade, o Toró leva esse nome pois, na época que era atacante júnios do fluminense fazia "chover gols nos jogos"... Pena que o talento de não tenha sido comprovado na fase profissional...

    ResponderExcluir