-

segunda-feira, 29 de março de 2021

The Beatles Self Songs - Help Class

                                                                    Capítulo 23

O Universo das Canções dos Beatles

Todos os Capítulos têm acesso neste LINK

Das Self Songs, onde seus autores falam de si mesmos, já falei das Classes Mind e Body. Neste capítulo, falarei das Help Songs e no próximo, falarei das Dream Songs.
Mais uma vez, John é o campeão da Classe, com 4,5 das 5 canções em que os autores pedem socorro. Paul tem a outra meia-canção, With a Little Help from my Friends, mas eu a atribuo apenas a ele, até para deixar com John a outra Lennon/McCartney do LP Sgt. Pepper's, a magistral A Day in The Life.



E agora, passamos a alguns detalhes dessas canções...
As canções que estão em vermelho já tenho 
análises mais aprofundadas sobre elas! 
Basta clicar em seus nomes!

1. I'm A Loser (Beatles For Sale - 1964)

John grita: 'O que eu fiz para merecer esse destino? Eu percebi que deixei isso muito tarde. E é verdade, o orgulho sempre ca uma queda. Estou te dizendo isso para você abrir o olho. Sou um perdedor, e eu perdi alguém que estava perto de mim, sou um perdedor, e eu não sou o que pareço ser!' Em que pese esse desespero todo ser porque ele perdeu uma menina, centrei-me na dúvida interna do autor, se está chorando não por ela, mas por ele (Is it for her or myself that I cry?), punindo-se por ser tão orgulhoso! É uma auto-análise, então, é uma Self Song, ele pede ajuda aos amigos para ele melhore. Paul a considera parte de uma tríade de 'cry for help songs' de John, junto com a própria Help!, da qual falarei em seguida, e Nowhere Man (que por ser falada na terceira pessoa, eu a classifiquei como Story Song), as três escritas um período de 1 ano. Ela foi uma favorita dos shows, com John e Paul dividindo o microfone e levantando a galera no refrão. Muito simpática também era a gaita que John tocava acoplada ao violão. A canção tinha força pra ser lançada em um compacto, e seria, se o mesmo John não aparecesse dias depois com nada menos que I Feel Fine, gente, fico até emocionado! Naquele ano, John estava realmente dominante na dupla naquele ano. 


2HELP!  Help Self Song by John Lennon)

John grita: 'Ajude-me se você puder, estou me sentindo desanimado. Eu gostaria de ter você por perto. Ajude-me a colocar meus pés de volta ao chão.Você não vai, por favor, me ajudar, me ajudar, me ajudar?'
Nada mais HELP que isso!  John estava no topo do mundo, mesmo assim estava deprimido (e gordo, segundo ele), e externou seu sentimento.  O interessante foi a forma como a canção composta, bem parecida com o primeiro filme  no ano anterior. Estavam filmando novamente, e novamente o filme não tinha nome. Quer dizer, provisoriamente era Eight Arms To Hold You, ideia de Ringo por causa de uma estátua indiana cheia de baços que aparecia no filme e porque eles quatro terem, na soma, oito braços. Só que ninguém estava contente, algumas sugestões incríveis rolaram até que alguém sugeriu HELP, que tinha a ver com o roteiro do filme, onde todos tinham que ajudar Ringo. Só que já havia canção registrada com esse nome, e eles fica
ram perdidos até que o diretor Richard Lester teve uma brilhante ideia: E se colocar um poto de exclamação, pode? Podia! Isto posto, a quem dariam a missão de escrever a canção, quem, Quem, QUEM?? Claro, novamente John! Conforme fizera com A Hard Day's Night, John finalizou a canção numa noite!  Gênios são assim! No dia seguinte, Paul se juntou a ele em sua residência de Kenwood e  contribuiu com aquele genial diálogo, o contracanto, com que ele e George complementam a fala de John, tão marcante na canção, e estava pronto mais um sucesso Lennon/McCartney, direto para o topo das paradas no mundo todo! No Brasil, felizmente, utilizaram a versão americana de HELP no LP, que tinha um introdução genial, a la James Bond (LINK),  tocada na abertura do LP, depois vinha um brevíssismo intervalo e eles vêm com tudo..
Paul/George - HELP, John - I need somebody
Paul/George - HELP, John - Not just anybody
Paul/George - HELP, John - You know I need someone, 
Paul/George - HEEELP!

  

3. With a Little Help From My Friends (Sgt Peppers - 1967)

Paul e John investem-se na pele de Ringo: 'Empreste-me seus ouvidos e te cantarei uma canção e vou tentar não desafinar, ohh baby eu consigo com  uma pequena ajuda de meus amigos, eu quero chegar alto, com a ajuda dos meus amigos, vou tentar com uma pequena ajuda de meus amigos' E Ringo precisava de oportunidade no novo disco, e lá foram Paul e John compor para ele. Paul teve a ideia da 'help from my friends',  genial, porque é o que os amigos estavam fazendo ao baterista, dando oportunidades a ele. A melodia é mais de John, que complementou alguns versos, e pronto. Tiveram o cuidado de não estender as notas, para adaptar ao alcance vocal limitado do Ringo. Atribuíram-lhe o fictício nome de Billy Shears, e o apresentam ao final da canção título, que abre o LP. Esse nome faz parte da teoria de conspiração sobre a morte de Paul, em um acidente de 1966, que foi 'comprovada' por várias evidências encontradas na capa daquele disco e também de Abbey Road. Enfim, bobagens à parte, a canção é magnífica, tem aquele duelo de perguntas e respostas, entre Ringo e Paul+John. O 'get high' da letra foi imediatamente associado ao estado da mente de quem usa drogas, então a canção foi banida de algumas rádios nos EUA, nada que impedisse que atingisse  o sucesso merecido. Ringo fecha os shows de sua All Star Band até hoje, e vale aqui o destaque para o cover de Joe Cocker, bastante alterado em relação ao original, e que alcançou corações e mentes de todos, arrebentando no Festival de Woodstock.

 

4. Good Morning Good Morning (Sgt Peppers - 1967)

John insinua: 'Depois de algum tempo, você começa a sorrir, agora se sente legal. Então você decide dar uma volta perto da velha escola. Nada mudou, ela ainda está igual.Eu não tenho nada a dizer, mas tudo bem! Bom dia, bom dia, bom diaDisfarçado na letra aparentemente jogada está um John Lennon frustrado com a vida de casado. Ele vê o amigo Paul, livre leve solto, passeando pela cena londrina, participando da vanguarda que surgia, e ele como marido, que tem que voltar pra casa, pra mulher e filho, e ver TV, e os comerciais de Corn Flakes, de onde tira o título da canção. Ele vê que 'Everyone you see is full of life' mas ele fica preso porque 'It's time for tea and meet the wife', aliás, Meet The Wife era um programa que  ele via na TV. Depois ele se resigna, 'Go to a show you hope she goes... I've got nothing to say but it's O.K. Good Morning Good Morning Good Morning'. Típica Help Self Song, musicalmente muito rica, com potentes metais, efeitos sonoros (muitos animais de fazenda), mudanças constantes no tempo (segura aí, Ringo!), e a interessante  troca de papéis na guitarra, com Paul fazendo o solo, e George fazendo o ritmo! E, para finalizar, a marca registrada do álbum Sgt.Peppers, com seu final mesclando com o início da próxima canção, no caso, a despedida da banda, a reprise da canção título do álbum, com letra um pouco alterada.
 

5. Yer Blues (Álbum Branco - 1968)

John berra: 'Nuvem negra passa minha mente, bruma azul em minh'alma, sinto tanta vontade de morrer, até odeio o meu Rock'n Roll, Quero morrer, sim, quero morrer' Pronto fiz um desafio lá em HELP! e agora, perdi. ESTA, sim, é um 'cry for help' da melhor espécie! Só que não! Bem, ele realmente estava se sentindo assim, sozinho, no acampamento na Índia, quase se separando de Cynthia e apaixonado por Yoko, mergulhando na Meditação Transcendental, e queria falar com Deus! John usou a canção para fazer um pastiche sobre a onda de Blues na Inglaterra, vocês sabem, 'Blue', além de 'Azul', quer dizer 'Triste', e o Blues, como estilo musical, é invariavelmente, um lamento! E John quis elevar esse lamento à mais elevada potência, colocando o máximo lamento, que é a vontade de morrer. 
Musicalmente, o vocal de John é impressionante, transmite a angústia, perfeitamente. Muito do clima sombrio da música foi conseguido por causa do local aonde gravaram, uma sala pequena de Abbey Road, que tinha espaço só pra bateria, um gravador de quatro faixas, os guitarristas e os amplificadores, que ficavam voltados para a parede do cubículo. Eles adoraram gravar assim, e decerto foi a chama para embarcarem no Projeto Get Back, de volta às origens da banda. 
A música também notabilizou-se por ser a ÚNICA num período de mais de dois anos, em que um Beatle aparece tocando uma canção dos Beatles ao vivo! Foi por conta de um projeto de Mick Jagger para a TV, chamado Rock And Roll Circus, em que John tocou numa superbanda, com Eric Clapton na guitarra, Keith Richards no baixo, e Mitch Mitchells (Cream) na bateria, que levou o nome de Dirty Mac. O espetáculo não foi ao ar, mas pode ser conferido neste LINK. Peço especial atenção para o momento 'My father was of the sky', note os 3 guitarristas num 'glissando' pelos braços dos agudos aos graves de suas guitarras, e mais um depois de 'My mother was of the Earth'. Notável!
 

Outros capítulos de Self Songs

As 6 Dream Self Songs dos Beatles - Neste LINK

As 6 Mind Self Songs dos Beatles - Neste LINK

 As 3 Body Self Songs dos Beatles - Neste LINK

8 comentários:

  1. Homero help me descobrir qual dessas eh a melhor nesta subdivisao que voce fez. Sao todas sensacionais!!!

    ResponderExcluir
  2. Muito 10. Sempre bom ter alguém que acrescente novas histórias sobre eles

    ResponderExcluir
  3. Orra meu
    Virei seu seguidor
    Parabens

    ResponderExcluir
  4. Fiquei sabendo que foi influencia de Bob Dylan. John teria passado mesmo a escrever apenas sobre seus sentimentos. Sobre o que estava sentindo. Sendo assim poderíamos pensar que para conhecer John um pouco melhor bastaria ver as letras de suas musicas. Mas não é bem assim porque ele disfarçava. Ele não se revelava tanto assim. E nem mesmo dizia seus motivos. Sim, ele estava pedindo socorro, mas não sabemos o motivo de se sentir assim tão desamparado. Só sabemos que estava mesmo pedindo socorro o que foi confirmado por Paul posteriormente. E acrescentou que ele estava sempre pedindo socorro.

    Atrevo-me a fazer uma pequena correção na tradução da música. Ele não diz "Eu gostaria de ter você por perto". A pessoa com quem ele falava já estava perto. E ele apreciava isso. Só que não estava dando o socorro necessário. Ele canta que: I do appreciate you been around. Isto é, eu aprecio de verdade você por perto." Quem seria? Cynthia? Bem que ele gostava dela, mas ela talvez não estivesse cumprindo seu papel da forma que ele queria. Há quem pense ser Paul ali ao lado o tempo todo, mas também falhando em ajudá-lo por algum motivo. Não há como saber.

    ResponderExcluir
  5. Espculação minha. Sempre bom informar quando escrevo sobre coisas que pintam na minha cabeça e que podem nada significar. É apenas o prazer de pensar neles e ficar imaginando coisas. Também me projetando neles. Por isso muito do que penso podem apenas ser meus desejos e nada a ver com os desejos deles. Enfim, gosto de pensar que aqui veio influência de João Gilberto no seu Desafinado. E faz sentido não apenas porque há uma confição de Ringo de cantar fora do tom. Faz sentido também porque John tinha o disco de João Gilberto com Stan Getz. Penso que Desafinado está incluído neste album. Foi até engraçado quando John falou que tinha o disco porque disse ser de Stan Getz com um mexicano chamado Iguana. Ainda não sei se estava fazendo gracinha ou se realmente achava que João Gilberto era mexicano e tinha outro nome. Penso que era gracinha pois esse comentário surgiu de uma pergunta feita pela Play Boy onde está claro que o entrevistador não tinha os Beatles em boa conta como pessoas com algum conhecimento musical. Se bem me lembro a pergunta era se ele conhecia Jazz...algo assim. Como se eles só conhecessem rock. Daí vem John dizer que tinha o disco...revelando desconhecimento a respeito do músico. "Acham que sou bobo? Então vai aqui uma resposta boba para te dar prazer."

    ResponderExcluir
  6. I'm a loser não parece ser sobre problemas pessoais. Não seja. Apenas não parece porque ele, aparecentemente, não tinha perdido ninguém naquele ano. Penso que ainda estava engatinhando nesse negócio de falar sobre seus sentimento. Ainda não estava seguro. Não queria ainda que o mundo soubesse o que sentia. Então fez com que parecesse uma música romantica banal com a qual qualquer pessoa pode se identificar visto que todos um dia romperam um caso de amor. A maioria das suas primeiras músicas tinham esse propósito de todos poderem cantar como suas. Mas não relatavam um fato real vivido por eles.

    Se bem que há uma história dele ter se apaixonado pela Alma Cogan que morreu jovem. Nâo sei o ano.
    Não importa. O que importa é que a música é muito boa. E gostei de saber mais sobre ela agora lendo seu texto. Você sempre acrescenta algo que eu não sabia. Como Paul a considerando como um tríade de cry for help songs. Então aí tem coisa. Coisa que Paul sabe, mas não revelou. De qualquer forma essa coisa foi camuflada numa canção de coração partido comum. Quando digo "comum" não quero dizer que seja sem importancia. Não. Apenas o que falei antes...Que todos possam se identificar como muitos outros compositores costumam fazer.

    ResponderExcluir
  7. Homero, isso que você falou aí de John frustado na vida de casado enquanto Paul usufruia ao máximo sua vida de solteiro no centro de Londres já me passou pela cabeça algumas vezes. E não apenas para farras noturnas, mas também para aprendizado nos novos movimentos musicais e outras coisas bacanas que Londres oferecia. Li uma vez que Paul ligou parfa John dizendo ter passado a tarde com Bertrand Russell...e que conversaram muito sobre o Vietna. Posso imaginar John chateado..."E não me chamou para ir junto?" Paul vinha fazendo exatamente o que ele gostaria de fazer. Era o avançado da turma no meio da contra cultura, do movimento underground de vanguarda. Enquanto John ficava no suburbio vendo TV com a esposa e filhinho todo santo dia. Era pouco para ele.
    Posso imaginar o que sentiu quando viu aquele documentário que levou um título mais ou menos assim? " O movimento underground britânico, Paul McCartney e os Beatles." Bem assim separando Paul dos outros. A propósito, alguém aqui já viu este documentário? Eu sou conheço o trailer que está no youtube. Tenho muita vontade de ver por completo.
    Enfim, John deve ter se sentido lesado...e com razao. Mas é que ele, George e Ringo não participavam tanto quanto Paul, se bem que Paul levava tudo que aprendia para eles que usaram todo novo conhecimento muito bem nos seus discos inovadores. Daí que os Beatles estão no título...emborfa depois do nome de Paul.

    Curiosamente John queria levar Paul para sua vizinhança de qualquer jeito. George e Ringo já moravam perto. O que estava fazendo lá no centro longe deles? Estava vivendo intesamente tudo que a capital londrina tinha a oferecer. Paul se recusou a ir para Weybrige preferindo adquirir uma residencia em Saint John's Wood, uma região bem central. Ringo também gostava do centro, não é? Tinha um apartamento ali embora morasse longe. Um apartamento que foi usado pra muita coisa e por muitos. Foi estúdio para Paul...E residencia de John e Yoko também. Hoje é tombado pelo patrimonio histórico. Acho que Nilsson se hospédou lá uma vez.

    Pois é...você viu na letra de Good Morning Good Morning este lamento...está bem claro, não é? Impossível não ver.

    ResponderExcluir
  8. Finalmente Yer Blues. E tenho uma pergunta. Quando você fala que ele estava se sentindo sozinho e apaixonado por Yoko na India é porque veio alguma confirmação sobre isso? Conformação dele sem Yoko por perto na hora da confirmação? rs rs rs. De fonte segura? Pode ser que sim, que tenha sido exatamente assim. Não é o que eu sinto. Não vejo John tão apaixonado assim por Yoko quando na ìndia. Sei que já gostava dela. Já se conheciam. Ele até fez uma música quando estava lá que parece ter sido pensando nela. E com saudades da meninha que ele deixou em Londres. Mas eu soube por alguém da turma, não sei se foi Tony Bramwell, não tenho certeza, que ele apenas a acahva divertida naquele temnpo. Tinha simpatia, gostava dos presentes que ela vivia mandando para ele, ria dos postais que mandava. Parece que era assim mesmo porque quando, póuco depois, ele foi com Paul para Nova York lançar a Apple, nem sabia que ela estava por lá. Só ficou sabendo um dia antes de ir embora quando Paul saiu com Linda. Ele teria pedido para sair com "uma mulher" por causa disso. E então foi lembrado que Yoko estava em Nova York. E veja que só saiu com ela porque Paul tinha saído com Linda. Foi exatamente a partir daí que a coisa ficou séria. Isto é, não era sério quando estava na india.

    Penso que ele estava bem na India sim. Ele estava gostando da experiência. Sua letra para a melodia que depois virou jealous Guy mostra um John muito imerso dentro do que fazia ali. Mas é verdade que algo passou a incomodá-lo depois de certo tempo porque algumas letras dizem isso. Yerr Blues é arrassadora. Faz até mal. Cheio de ódio...desejando a morte. Algo aconteceu.

    E me pegou aqui em Montes Claros. Eu escutava a música e sentia mal estar. Eu entrava na música, como sempre entro em todas, mas saída mal. Não era uma boa viagem. O mesmo fale para I am so tired. Eu ficava cansada também. rs rs rs. Nâo teria sido abstinência de drogas? Acho que ali não tinha como consumir drogas. Pode ser. Como pode ser o que você indicou, claro que sim.

    ResponderExcluir