-

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Lucas resenha A Comissão Chapeleira

Lucas é um leitor da Saga A Arma Escarlate, querido por toda a comunidade, sempre presente nos encontros que ocorrem em São Paulo, mesmo com toda a dificuldade logística de sua presença. Conheci-o na última Bienal de São Paulo.
  
Lucas
escrevi uma resenha


Forte e Intenso!
Eu demorei muito para resenhar esse livro, mas sei exatamente o que dizer!
A Comissão Chapeleira não é apenas uma continuação, é como uma nova estrada onde iremos passar. Hugo, com suas cicatrizes, mas ainda sim, lugares onde ferir, irá intensivar todo o enredo.
A primeira parte, soube introduzir tudo que seria necessário ser introduzido no livro. Sem deixar o fôlego parar, temos vários acontecimentos e, inclusive, todo um arco dentro dela, que perdurá durante todo o livro. A primeira parte é uma chave que irá abrir uma porta para milhares de coisas novas. Hugo e os Pixies; Capí, VINY LINDO E MEU, Caimana e Índio nos levarão, com outros personagens, por uma jornada Mágica, Brasileira e Politica.
A maneira como Renata Ventura soube conciliar a Política com a Fantasia, é algo encantador. Esse livro nos ensina coisas históricas e sociais ao mesmo tempo que nos diverte e encanta, e é dessa forma que ficamos tão ligados ao enredo.
Acontecimentos surpreendentes, que nos deixam abismados, que não imaginamos, que nos destroem, que nos deixam curiosos. Ler esse livro, vale uma maratona! Uma incrível maratona!
Um humor aguçado, nos momentos certos, da maneira certa, que nos faz rir e analisarmos a situação.
Totalmente detalhista, existem várias cenas lindas de se imaginar, vários contextos para vivenciar.
O sotaque dos personagens é uma das melhores coisas! Nos cativa, nos aproxima, nos ensina. Deixa tudo mais real e bonito.
Aprofundamento dos antigos personagens, de uma forma que sempre iremos querer mais, um jeito que nos leva. Personagens novos que nos encantam e fascinam, tudo em prol da história, da narrativa. Cada um tem sua verdadeira função, sem ser impedido de articular em outras funções.
Um vilão que intriga a todos, que com certeza irá nos revelar muito de si, mas que marca nossa memória a cada cena com algo novo.
Vilões que nos assombram, vilões que nos enraivecem, vilões que nos desesperam.
Mensagens que sempre nos acrescentam algo, que nos farão refletir, que serão um tapa na nossa cara! Que escancararão o mundo, que mostrarão pensamentos que temos, mas nem nos damos conta.
Folclore muito bem tratado. Trouxe a linha do anterior, e não veio fraco, veio pra se mostrar, veio pra dizer "Sou perigoso", veio pra dizer que não ta de enfeite. Todos os seres folclóricos tiraram meu ar em uma cena. AMEI. Beijos Peteca!
Fatos marcantes. Fatos que não tiveram dó. Fatos que estarão presentes na continuação da série. Eu sofri? Sim, mas gostei, EU GOSTEI DE SOFRER, pois Renata faz isso como ninguém. Ela sabe onde dói, mas não vai direto, ela percorre um caminho agonizante, e quando chega, constrói toda uma sociedade no local e fala "Não acabou."
Adorei conhecer mais sobre a sociedade Brasileira Bruxa, que nesse livro se mostrou maior do que imaginava e muito bem construída.
Consequências! Esse livro abusa delas, das melhores formas, sem limites. Do começo ao fim, e nas cenas finais, foi crucial, ainda deixando passos para consequências futuras.
Ganhos, perdas, cortes, arranhões, tapas. É isso que nosso coração sofre durante toda a narrativa.
Inclusão! Há inclusão social nesse livro, de um jeito natural e incrível. Que, fazendo uma ligação com uma delas, deveria ser teiada em muitos lugares.
Por fim, quero falar da escola de Salvador. EU TIVE A SENSAÇÃO DE ESTAR LÁ! Uma descrição linda, tradições lindas, personagens lindos e um valor imenso. Terei saudade!
Esse livro mostrou que meu coração está nas mãos dessa série, e irá ser bem manuseado.
SARAVÁ!!!!!!!!!!!

Um comentário: