-

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Quando The Beatles começaram?

Resultado de imagem para tea shirt 60 years beatlesDesde que recebi a oferta desta camiseta ao lado, fiquei intrigado. Uma foto-montagem como se  Paul McCartney estivesse comemorando os 60 anos dos Beatles em 2020... fiquei encafifado... pois nunca comemorei o início dos Beatles em 1960. Fui pesquisar, e logo achei. Foi em agosto de 1960 que John Lennon resolveu despratear o nome da banda, e removeu o Silver de The Silver Beatles, restando apenas The Beatles, da forma que a conhecemos, sim, há 60 anos, ou quase. Antes dele, tocaram um tempo como Johnny and The Moondogs, além da original The Quarrymen, que foi como tudo começou.

É isso mesmo? Pera lá, em 1960, nem Ringo estava na banda, nem George Martin, sonhava em entrar pra história, nem tinham Brian Epstein como empresário! Portanto, ainda não eram The Beatles, como conquistaram o mundo, não, não, não me convencem.

Até porque se for pra considerar Beatles sem Ringo, o próprio Paul considera que 'In Spite of All The Danger' como a primeira gravação dos Beatles, ainda na época dos Quarrymen, em julho de 1958, num estúdio caseiro de Liverpool, uma McCartney/Harrison, ou melhor, composição de Paul com guitarra de George. No Lado B, eles gravaram um cover de Buddy Holly, That Will Be The Day! Mas não.... não ... ainda prefiro minha interpretação.

Resultado de imagem para love me do singlePra mim, The Beatles começaram, já com a formação definitiva, em 5 de outubro de 1962, contei aqui neste link, quando lançaram o primeiro compacto com 'Love Me Do' e 'P.S. I Love You'. Somente aí, deixaram de ser aquela banda de rock de uma cidade litorânea do norte da Inglaterra, para serem conhecidos em Londres, e e chegarem ao 17° lugar das paradas inglesas, e fazerem shows na capital e depois toda a Inglaterra e depois todo o Reino Unido e depois toda a Europa e depois a América e depois o mundo! Foi naquele dia que a luz se acendeu. E, claro, eu gosto muito de celebrar aquele 5 de outubro porque naquele exato dia, mais especificamente, naquela exata noite, estreava com grande pompa e circunstância o primeiro filme de 007, Dr.No, com Sean Connery no papel de James Bond, que no Brasil saiu como 007 Contra o Satânico Dr.No ... coitado do Demo, sempre levando a culpa! Sim, definitivamente foi naquele dia The Beatles começaram.

Mas permitam-me algumas ilações! Vamos ampliar a discussão de datas, mas levando para um outro raciocínio, tipo ‘Se isto não acontecesse, os Beatles não existiriam!’. E então temos vários momentos de conjunção cósmica que levaram à formação dos Beatles. São fatos que SEM OS QUAIS NÃO ocorreria o fenômeno conforme o conhecemos. A partir daqui, uso a expressão em latim do mesmo significado, SINE QUA NON!

1

Resultado de imagem para quarrymen
Em primeiríssimo lugar, tem o 6 de julho de 1957, quando John conheceu Paul, no pátio de uma igreja de Liverpool, levado por um amigo comum, Ivan Vaughn, a quem nós beatlemaníacos agradecemos a passagem pela terra. John ouviu suas habilidades, percebeu que era um talento de igual magnitude que ele, e após uma noite debatendo com seu imensurável ego, decidiu por admiti-lo no Quarrymen. Esse episódio foi contado no filme Nowhere Boy (resenha aqui!)



SINE QUA NON 1: 
Se John não conhecesse Paul, 
The Beatles não existiriam!
________________________________________________________




2
Resultado de imagem para quarrymenDepois, um certo 6 fevereiro de 1958 (quando eu já tinha um mês neste mundo) também foi fundamental, pois foi quando Paul trouxe seu amigo de escola George para conhecer John, pasmem, no andar de cima de um ônibus, onde deu um show na guitarra. John demorou um pouco para admiti-lo na banda por ser ainda um pirralho (ainda ia completar 15 anos), mas acabou por render-se à habilidade do menino.

SINE QUA NON 2: 
Se Paul não trouxesse George, 
The Beatles não existiriam!
________________________________________________________




3
Stuart e Astrid
Pouco tempo depois, com Pete Best na bateria e com o concurso de Stuart Sutcliffe no baixo, um ótimo artista plástico, mas que não sabia tocar baixo, estava só porque era o melhor amigo de John, os rapazes partiram para Hamburgo, onde tocavam 7 horas seguidas todas as noites, com George ainda menor de idade, e aprimorando suas cometências (?? ... clique aqui!!). Ao final da excursão,  Stuart percebeu que a praia dele era outra e resolveu ficar lá, com a  nova namorada, a artista Astrid Kircherr, fotógrafa de fotos históricas dos rapazes. Corria o mês de julho de 1961. Sua saída se constituiu num turning point, porque somente aí Paul assumiu de vez o baixo e se tornou um dos maiores baixistas de todos os tempos, fator crítico de sucesso da banda. Algum tempo depois, infelizmente, Stuart veio a falecer, devido a um aneurisma... 


SINE QUA NON 3: 
Se Stuart não fosse embora, 
The Beatles não existiriam!
________________________________________________________




4

                Brian Epstein, empresário dos Beatles, morreu em
                    agosto de 1967 aos 32 anos. (Foto: Divulgação)
            Um próximo momento foi quando Brian Epstein resolveu sair de sua loja de discos na hora do almoço para ver ao vivo uma banda que ele ouvira em um disco acompanhando Tony Sheridan, que tinha uma certa projeção,  cantando a valsinha "My Bonnie" em ritmo de rock, gostara do som, mais da banda de apoio que do próprio astro. E chegou ao The Cavern Club e ouviu John e Paul dominarem o palco, George com ótimos solos de guitarra, e ainda Pete Best na bateria, mas principalmente, ficou impressionado com o carisma deles, principalmente dos dois frontmen. Era um 9 de novembro de 1961 escrevi sobre isso aqui. Um mês e um dia depois, fez a proposta de empresariá-los em troca de 25% dos rendimentos, eles aceitaram e começaram a batalha por uma gravação.

SINE QUA NON 4: 
Se Brian Epstein não chegasse, 
The Beatles não existiriam!
________________________________________________________



5
Resultado de imagem para decca tapesTalvez eu apele um pouco agora, mas um NÃO pode ter sido essencial para o sucesso deles. Escrevi sobre isto aqui. Foi Dick Rowe, gerente da Decca Records, que num 1 de janeiro de 1962, recebeu-os em sua gravadora para um teste, não gostou do que ouviu, dizendo que aqueles grupos de guitarra não tinham futuro... Se tivesse gostado, e assinado com eles, talvez eles tivessem mantido Pete Best. E não teriam Ringo, fator crítico de sucesso da banda, e não teriam conhecido George Martin, outro fator crítico de sucesso, pois era gerente de uma gravadora concorrente. Apelei? Bem, o tape, virou um dos mais procurados pelos fãs.

SINE QUA NON 5: 
Se Dick Rowe tivesse dito SIM, 
The Beatles não existiriam!
________________________________________________________


6
E seguimos... com aquele Não, o desânimo tomou conta dos rapazes mas não de Brian, que seguiu buscando e passou nos escritórios da grande loja HMV na em 363, Oxford Street, para transformar a fita num disco, entregando-a para um  certo técnico de som Jim Foy, que ouviu e gostou, sugeriu que conversasse com o chefe dele Sid Coleman, que pegou o telefone e marcou uma reunião do grupo com George Martin da EMI. Era um 8 de fevereiro de 1962, portanto outra data ‘sine qua non’ haveria o sucesso. Fizeram até uma placa celebrativa no endereço, mesmo sem a HMV lá. Foto de 2005.

SINE QUA NON 6: 
Sem o encontro na HMV, 
The Beatles não existiriam!

________________________________________________________


7
Resultado de imagem para george martin meets the beatlesE, claro, o próprio dia do encontro um certo de 6 de junho de 1962, na EMI, com George Martin, que aliás nem os ouviu ao vivo, ficou só na fita, mas enxergou longe, adorou o carisma dos rapazes (o garoto George até reclamou da gravata do velho George), assinou contrato mas recomendou que trouxessem outro baterista. Martin foi fundamental para a transformação dos Beatles numa banda mais madura, e sempre estava aberto a ouvir as idéias dos rapazes e fazia o possível para concretizá-las.

SINE QUA NON 7: 
Se Martin tivesse gostado de Pete Best, 
The Beatles não existiriam!
________________________________________________________



8
Resultado de imagem para ringo starr in hamburgE somente aí, apareceu a chance de Ringo. Já era o melhor baterista de Liverpool, era o único dos quatro que tinha um carro, astro da banda Rory Storm and The Hurricanes, era claro que John e Paul o queriam na banda. Fizeram o convite, ele se manteve nas duas bandas por um tempo, até que, num 22 de agosto de 1962, assumiu as baquetas da bateria Beatle para nunca mais largá-las, exceto num par de três ou quatro breves ocasiões, por saúde, férias ebriguinhas...
The Beatles estavam completos!

SINE QUA NON 8: 
Se Ringo fosse fiel à sua banda, 
The Beatles não existiriam!

________________________________________________________

A partir daí, foi só botarem o talento e o carisma pra fora e correr para mudarem a história!!

O que pensam? 

Como celebração é livre, em agosto, celebraremos os 60 anos da maior banda de todos os tempos, que ainda hoje, quase sexagenária, ainda encanta e influencia gerações!!!

2 comentários:

  1. Grande mestre Homero: CONCORDO INTEGRAMENTE CONTIGO!!! E sobre a fake do Paul com a camisa dos "60 anis", quando recebi há tempos de um amigo, respondi que era uma enganação tosca e deletei. Mas agora, com a sua postagem, vejo que eu deveria ter respondido nessa mesma levada sua... rsrs. Grande abç! Osmar.

    ResponderExcluir