-

terça-feira, 1 de novembro de 2011

De todos os santos e de nenhum



Na copa do meu trabalho, aonde vou tomar uns cafezinhos e encher a garrafinha de água algumas vezes por dia, tem um mural, onde se colocam as novidades corporativas, mensagens de liderança, aniversariantes e feriados da semana, nos países em que a Petrobras atua.

Ressaltou-me uma coincidência interssante: a proximidade entre o Dia de Todos os Santos e o Dia de Nenhum Santo, respectivamente, 1 de novembro e 31 de outubro.

Interessante notar que no 'display' dos feriados no mural está escrito que esse dia é celebrado no Chile como o Dia das Igrejas Evangélicas, estranhei, mas logo em seguida, na explicação nota-se que, na verdade, é muito mais do que isso, e a origem remonta a quase 400 anos atrás.

Nesta última data, em 1517, o monge alemão Martinho Lutero afixou na porta da igreja principal da cidade de Wittenberg 95 teses que renegavam a penitência, a autoridade do papa e a utilidade das indulgências, entre outros, teses que impulsionaram o debate teológico e é considerado como um marco da Reforma Protestante. Lutero pregava o contato direto com Jesus, portanto dispensando os 'intermediários', os santos. Tanto que não se vêem imagens de santos nas igrejas protestantes.


Mais interessante notar a descrição do Dia de Todos os Santos no mural, que diz ser o dia em que se homenageiam todos os Santos, 'conhecidos e desconhecidos', hehehe, achei muito engraçada essa colocação. Os bebensais do café começaram então a pipocar com sugestões para os santos desconhecidos, um deles me homenageou, dizendo ser o dia dO Santos, meu clube de futebol, um outro lembrou-se do Dia de São Nunca, que deveria ser comemorado, então, naquele dia, na falta de uma data oficial, e eu me lembrei do Santo de Casa, mas esse não merece a alcunha pois não faz milagre...

Enquanto falávamos naquela copa no Rio de Janeiro,  lá em Brasília, um outro santo fazia seu discurso de despedida do Ministério dos Esportes. Esse, tem que provar que não é um Santo do Pau Oco.

Olha, eu sempre me perguntava como é que um corrupto chegava em casa, após desviar milhões de dinheiros públicos que deveriam estar em educação e saúde de criancinhas, e olhava pro seu filho com a cara limpa.

Então, após ouvir suas palavras, no Jornal Nacional, olhando nos olhos da mãe, da esposa e da filha (e da Presidente), eu digo: se ele não é inocente, é um excelente ator e deveria ser contratado pelas televisões.

A acompanhar, então, o decorrer das investigações.