-

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Abbey (the last) Road


Em meados do 1º semestre de 1969, quatro artistas reuniram-se a um maestro, para produzir sua melhor obra. Toda a genialidade de John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr pôde ser exercitada, em toda a sua plenitude, sob a batuta de George Martin. Foi a última reunião dos Beatles para a produção de um disco, o grande Abbey Road.
Nele, George Harrison nos apresentou duas pérolas. A primeira, “Here Comes the Sun”, traz uma canção linda, um riff inicial num violão marcante, um refrão inesquecível (‘HCTS-It's all right!’) acompanhado de guitarra com viradas geniais, e uma letra que exalta o quanto os britânicos festejam a volta do sol àquela terra de clima miserável (como eles chamam) 'the smiles returning to the faces'. O outro big moment de George no disco merece uma citação especial, pois se trata de 'alguma coisa' especial, ou “Something” special. Tão especial que mereceu um lançamento em Lado A de compacto beatle, deixando a ótima 'Come Together' no Lado B, e John, o autor da última, não reclamou nem um instante. Foi a primeira e última ocorrência deste tipo na história beatle. Trata-se de uma das mais regravadas canções beatle (perdendo apenas para 'Yesterday'), inclusive pelo Rei Elvis e o grande Frank Sinatra. Este último elegeu 'Something' como a mais bela canção de amor de todos os tempos! E olha que o 'old blue eyes' entendia do assunto. E, cá entre nós, ela merece a alcunha. 'Something in the way she moves attracts like no other lover, something in the way she wooes me...' Eu me arrepio ao escrever este trecho da letra. A melodia de 'Something' é linda, suave, triste, a gente se arrepia já na introdução, de bateria e guitarra, o solo de guitarra de George no meio da canção é o mais lindo da história do rock romântico, e na hora de refrão, a bateria de Ringo é inesquecível. Enfim, uma grande bola dentro de George. A melhor de todas, em minha opinião!
            Para se ter uma idéia da grandeza do álbum, até mesmo Ringo Starr teve nele seu grande momento beatle: a canção “Octopus's Garden”, que de genial nada tinha, mas era bonitinha, com uma levada infantil. Ela merece destaque por tratar-se de uma das duas únicas canções que o baterista conseguiu imiscuir no meio de tanto talento beatle (a outra havia sido um ano antes, "Don't Pass Me By", no Álbum Branco), depois de inúmeras e frustradas tentativas, que provocavam risos de John e Paul, que sempre descobriam de imediato a música da qual Ringo havia plagiado a criação. Dizem as más línguas que teve o dedo de George Harrison na composição, mas ele nunca confirmou.
            E aí vêm Lennon/McCartney, de quem vou falar primeiro?
            Bem, é fácil, falo primeiro de John, já que ele não estava lá muito ligado, ao contrário de Paul, que teve mais uma de suas grandes idéias, contra a vontade do primeiro, mas que felizmente prevaleceu. Falo dela mais embaixo!
            John, mesmo estando mais pra lá do que pra cá em seu relacionamento beatle, influenciado que estava por Yoko (‘deixe esses caras pra lá, você é muito melhor, pode seguir sozinho!), entregou algumas faixas muito boas. Na parte normal do disco (depois explico o porquê da qualificação, tem a ver com a idéia de Paul), foram "Come Together", "I want you (She's So Heavy)" e “Because”. A primeira abre o disco, e tem uma letra lisérgica, muitas vezes ininteligível, com expressões que levaram muito tempo a serem entendidas, decifradas, e nunca decoradas: é um desafio cantá-la toda de cor, sem um errinho. De qualquer forma, é ótima: apresenta grande bateria de Ringo, um baixo estupendo de Paul, começa com um ‘...shoot....’ na voz de John, que gerou polêmica, pois diziam ser uma incitação ao uso de armas (pode?), e termina com um sensacional pergunta-resposta entre a voz de John e a guitarra de George. A segunda música, na verdade mistura duas ("I Want You" E "She's So Heavy"), feitas para Yoko, e que têm como letra não muito mais que os próprios nomes, com marcantes mudanças de ritmo, e que termina apenas porque termina o Lado A do disco (na época, era LP, não se esqueça), senão iria até o infinito. Finalmente, a terceira música é uma verdadeira obra-prima vocal e lírica: “Because” é um hino, John estava muito inspirado, e chamou Paul e George para compor uma harmonia vocal tripla inesquecível, digna de estar presente no melhor disco deles. Segundo John, se você a tocar de trás para diante, você identifica uma sonata de Beethoven. Nunca testei!
Ainda na normalidade da coisa, Paul brinda-nos com dois sucessos e uma terceira canção nem tanto assim. Em "Oh, Darling", ele pede desculpas à sua amada por alguma merda que fez, diz que vai morrer se ela o deixar, e promete que não vai lhe fazer mais nenhum mal. Bobinho, não? Mas em inglês, e na voz de Paul fica bonito, arrepiante. E que voz! E ele caprichou! A perfeição do refrão da canção, quando ele grita ‘When you told me you didn't need me anymore ...’ foi conseguida às custas de dias seguidos dedicados somente a ele: ele acordava, só tomava leite, e mais ou menos no meio da tarde, ele ia pro estúdio, e soltava a voz. Somente depois de uma semana de repetições, ele conseguiu o ideal. Ao comentar sobre o processo, ele diria que ‘se fosse cinco anos antes, ele teria conseguido na primeira vez’. Aliás, como ele fez com ‘Long Tall Sally’, um clássico de Little Richards que teve, em sua voz, uma versão inesquecível. A outra contribuição ‘normal’ de Paul é “Maxwell’s Silver Hammer” uma pérola de humor negro, em que Paul conta mais uma historinha, como ele adorava fazer em suas canções, sendo nesta, a de um garoto psicopata que sai por aí martelando a cabeça das pessoas. Esta canção levou os outros três beatles à loucura, pois, perfeccionista ao extremo, ele exigiu muito mais takes que o normal, até atingir o grau que ele desejava. Para se ter uma idéia, ela começou a ser gravada nas sessões de um outro projeto, ainda em janeiro! E ela compôs, juntamente, com “Obladi-Oblada” e “Hello, Goodbye”, a tríade alegada por John como um dos motivos para deixar a banda: ‘Não agüentava mais aquelas musiquinhas de Paul!’. Cá entre nós, todas as três eram muito legais! Enfim, a terceira canção ‘normal’ de Paul, “Her Majesty”, fecha o disco, mas não deveria estar lá. Uma brincadeira, bonitinha, mas brincadeira, que não dura nem 15 segundos, e que veio atrapalhar, só um pouco, a grande profecia da história do rock. Logo falo dela.

Agora vem a parte anormal, a genial, não que não houvesse momentos geniais na parte normal, porém aqui eles foram anormalmente geniais. Fui claro? Depois de um Lado A absolutamente tradicional, com uma canção em cada faixa, separadas por breves segundos, vem o Lado B, com mais duas no mesmo estilo, “Here Comes the Sun” e “Because”, e então começa o mais famoso medley da história do Rock, sem um segundo qualquer separando oito faixas. Idéia de Paul, sempre buscando alguma coisa diferente, mas contra a vontade de John, que queria mais espaço para suas músicas, não queria vê-las reduzidas a uns poucos segundos, mas o que felizmente não o impediu de contribuir com faixas magníficas, harmoniosamente encaixadas nas demais peças de Paul. A coisa começava com "You Never Give Me Your Money", de Paul, mas aí vinha John, com suas três canções "Here Comes The Sun King” (one aparece a única palavra em, português da carreira beatle: Obrigado), “Mean Mr. Mustard”, e “Polythene Pam”, e voltava a Paul com “She Came In Through The Bathroom Window”,  "Golden Slumbers", “Carry That Weight” e, finalizando, “The End”(uau!). Nesta obra-prima de concatenação harmônica, apareceram inúmeros ‘a primeira vez’:
  1. Foi a primeira e única vez em que Ringo sapecou um solo de bateria durante a época Beatle (os outros nunca o deixaram fazer aquela estrepolia, sempre comum em bandas normais!),
  2. Foi a primeira e única vez que John, Paul, George e Ringo cantam juntos uma parte de uma canção ‘Boy, you’re gonna carry that wiegh, carry that weight for a long time!’’ A outra vez em que se ouviu a voz dos quatro juntos foi em “Flying”, mas foi somente um lálálá na única canção instrumental da carreira beatle. Ah, e não contam também “Yellow Submarine” ou “Hey Jude”, em que todos que estavam presentes no estúdio cantaram o refrão, acho que até a moça do cafezinho, se estivesse lá, cantava;
  3. Foi a primeira e única vez que se ouviu uma palavra em português numa canção beatle (John falando ‘Obrigado’, em “Here Comes The Sun King”)
  4. Foi a primeira e única vez em que houve um duelo de guitarras solo, entre John, Paul e George, magistral.

Bem, depois daquele duelo mágico, vem a paz.
Entra um pianinho e a voz de Paul, cantando: 


AND IN THE END 
THE LOVE YOU TAKE 
IS EQUAL 
TO THE LOVE YOU MAKE.
Trata-se da mais famosa equação do amor da história da música, que o matemúsico James Paul McCartney propôs e decifrou. Ela é a totalidade da letra da música "The End" que, premonitoriamente, é a ÚLTIMA canção do ÚLTIMO disco gravado pelos Beatles. Foi premonitório! É a tal profecia de que falei lá em cima. Afinal, eles não sabiam que sua carreira como banda iria terminar alguns meses depois. Mas aí volta a indefectível, mas bonitinha "Her Majesty", que foi a última faixa do álbum: ela era para ser mais uma do medley, com seus meros 15 segundos, entre “Mean Mr. Mustard” e “Polithene Pam”, mas Paul não conseguiu encaixá-la a contento, e deixou lá, num canto de uma fita, para ser descartada. Ocorre que havia uma determinação na EMI: nada que fosse produzido por John, Paul, George ou Ringo seria jogado no lixo. Um sujeito reparou nela por lá, perdida, e a colocou na seqüência de “The End”. Os Beatles ouviram e acabaram aprovando.
Então, como antes dito, "The End" é, sem dúvida, a ÚLTIMA canção dos Beatles, realmente um fim mágico, para uma banda mágica.
No dia 26 de setembro de 1969, o disco Abbey Road chegou às lojas britânicas, cinco dias depois, nos EUA, e um pouco mais adiante, ao Brasil. Eu, em meus longínquos 11 anos, estava lá, na frente da loja, para comprá-lo, ouvi-lo, e ouvi-lo, e ouvi-lo, ..... coisa que faço até hoje!
Ele ficaria por muitas semanas em primeiro lugar, em todos os cantos onde foi lançado, muitos anos entre os mais vendidos, garantindo a marca de mais bem sucedido disco dos Beatles.  

Não sem motivo!

Um comentário:

  1. Uns com onze anos, outros com o viço da puberdade, nos seus quinze anos,e já era um Beatleamaniac full, com namoradinha ao colo(oops!!),sempre emocionado e emocionante,em cada acorde, cada riff, cada sonata de um disco memorável.No meu caso, diria que memoravel e espetacular entre outros e tantos que o FAB4 nos ofereceram,nos tornando seres vivos, em um momento unico no mundo.Poderia dizer que os Beatles engendraram , com certeza, a globalização de uma geração que não só queria liberdade e mudar o mundo, mas queria sobretudo viver com,amor. Love is all you need.

    ResponderExcluir