-

domingo, 11 de janeiro de 2015

Falta amor

Exatamente há uma semana, neste exato lugar, o supermercado Prezunic de Botafogo, eu encontrava um amigo de facebook que me cumprimentou com um 'Parabéns'. Relatei o encontro no blog, apresentando Andrei Bastos às 'minhas' pessoas como um ativista dos direitos das pessoas com deficiência. E relatando um episódio irônico de sua ação. Aqui, neste link.
  
Ontem, em meu estágio habitual no Facebook, sempre atento a um bate-papo com fãs de Renata ou a uma nova atração da Baleia para divulgar, aparece uma notificação..."Andrei Bastos alterou sua foto de perfil", abri, e me espantei! 


Reconheci de imediato a foto do jovem que fora assassinado na Urca com 5 ou 6 tiros em uma ação de assalto dois dias antes. Deus! Será?

O jovem era filho de Andrei!!

Biólogo brilhante, recentemente formado, pronto para embarcar em um mestrado no exterior em que dedicar-se-ia ao estudo do genoma humano, rumo à descoberta de cura de doenças.

Choque!!!!

Já estava chocado com o fato....mas naquele momento ele chegou mais perto .... comentei no post que eu gostaria de ter um texto que li por ocasião de uma outra perda, como a dele, de um colega que perdeu seu filho, da mesma idade, acho, para uma leucemia galopante. Mas dizia mais ou menos assim: 
...Imagine que ele embarcou numa barca, deixando aqui todos tristes por sua partida, depois coloca-se na proa da embarcação durante a viagem e vê, de longe, seu destino chegando, um acúmulo de gente aguardando, todos felizes e aplaudindo sua chegada .....
Pois é, essa missão que ele tinha aqui, ele vai continuar realizando lá, de uma outra forma .... e certamente olhando por todos os que deixou na origem desta viagem..... 

Hoje, Andrei reuniu forças para publicar um breve depoimento, sentido, apontando os culpados.

Antes que me perguntem: não acredito em "olho por olho, dente por dente". Os assassinos do meu filho são Dilma Rousseff, Pezão e Eduardo Paes, que pouco ou nada fazem pela Educação no Brasil. Os assaltantes que atiraram nele são vermes que nasceram na podridão em que vivemos.
Ainda que concorde que a base de tudo é a educação, lembro aqui de um gênio da música cujo papel na terra poderia ser resumido em três trechos de suas canções, que, caso levadas a sério, evitariam o aparecimento daqueles vermes:

Give peace a chance
Imagine all the people sharing all the world
All you need is love

Ou no mínimo à última. Tivessem os vermes algumas doses de amor por pessoas e certamente não descarregariam uma arma em uma vítima que não reagiu nada....

3 comentários:

  1. Homerix,

    Falta amor, falta respeito pela vida, faltam valores e princípios. A grande razão disso tudo está na combinação de impunidade com a mediocridade com que os governos têm tratado a educação, sobretudo nos últimos 12 anos. Quantos de nós pagarão com suas vidas esses desmandos?

    Esses governos têm mexido onde não precisa e, onde precisa ou não fazem nada ou aplicam apenas paliativos e agridem a inteligência do cidadão, com propaganda ilusória. E a realidade é que esse conjunto de coisas nos deixa cada vez mais longe das formas civilizadas de tratar assunto tão prioritário,

    Em 29/11/2010 a Folha publicou a minha carta, por ocasião daquela obviamente insustentável "campanha" do governo do Rio nas favelas, que reproduzo abaixo:

    ABRASPAS
    Estamos vivendo as conseqüências da omissão ou paliativos de governos em matéria de segurança pública e educação.
    De fato, não haverá vencedores enquanto não se trabalhar para exterminar todos os elos da imensa cadeia que sustenta o narcotráfico, que não está limitado à América Latina.
    Além disso, carecemos de um plano de educação, para desenvolver as pessoas e dotá-las de valores e princípios, de forma a provê-las com cidadania e contribuir para consolidar o Brasil.
    De outro modo, essa ação de combate reativo nas favelas do Rio resultará apenas num frágil esparadrapo sobre uma profunda ferida, que tende a se agravar.
    JOÃO CARLOS A. FIGUEIRA (Rio de Janeiro, RJ)
    FECHASPAS

    Isso tudo é muito triste, mas temos que reagir sobretudo pela prioridade e o respeito à vida.



    ResponderExcluir
  2. Muito triste... Muito presente...

    ResponderExcluir
  3. Estou muito chocada, sou amiga do pai do Alex, o Andrei Bastos, de longos anos. Não tenho palavras para este absurdo. Espero que o assassinato do jovem Alex não seja em vão. Vou ajudar o Andrei e a Mausy na luta pela justiça.

    ResponderExcluir