-

sexta-feira, 6 de junho de 2008

AWoL - Ensino Público em todo lugar


Nos EUA, vale o princípio que toda-criança-tem-que-estudar. E eles ficam em cima para que isso ocorra. Não se vê crianças perambulando pela rua. Veja  só um episódio que ocorreu com um amigo. Certo dia, sua filha brincava na rua, pois a mãe havia deixado que ela faltasse à aula para aproveitar os últimos momentos com uma amiguinha que iria embora naquele dia. Uma patrulha parou, pediu que os levasse à casa, onde deram uma lição à mãe: “...criança que não está na escola, tem que ficar dentro de casa, nunca na rua!”. Até parece um país que conhecemos bem! 

Uma coisa interessante é que a criança, se os pais quiserem usar o ensino público, TEM QUE estudar na escola do bairro. Isso resulta num aumento dos aluguéis em regiões que têm escolas melhores. E resulta também que todos os bairros, ou neighborhoods, como eles chamam, têm que ter uma escola, o que só pode ser saudável para a educação no país. E evita que as crianças se submetam a longos períodos de tansporte escolar, diminuindo o custo do mesmo, além do risco de acidentes. Vide o que aconteceu aqui, am 2010, quando uma van ilegal capotou na Linha Vermelha, lotada de crianças. O que estava fazendo a van na Avenida Brasil? Levando crianças de um bairro que não tinha escola decente para outro bairro que supostamente tinha. A norma torna obrigatório o investimento em educação. E causa transtornos para os que não estão acostumados, como nós. 

Veja o que ocorreu com um amigo brasileiro: tendo que mudar-se de sua casa por ela estar afundando (isto mesmo, acontecia muito em Houston!), mudou-se para uma outra muito próxima. Quando foi informar à escola das crianças a mudança de endereço descobriu que a nova casa, apesar de próxima à antiga, já havia passado a jurisdição coberta pela escola, e portanto, das duas uma: ou se mudava de novo, ou mudava as crianças de escola. Não houve conversa, influência, consulado, bispo, papa que demovessem a direção da escola de aplicar a lei, e ele teve que optar pela opção 2, já que a opção 1 demandaria o pagamento de pesada multa de rescisão!

Lei, Lá, é Lei, não tem jeitinho...

2 comentários:

  1. Se colocassem uma lei destas aqui e continuasse a existir o "jeitinho", é possível que a solução porca seria redefinir os limites dos bairros para abranger uma escola já existente.

    Raul

    ResponderExcluir
  2. Rômulo Rodrigues16 de junho de 2011 14:57

    Meu velho,

    Alguns colunistas já estão, há alguns anos, dizendo que o brasileiro deixou de ter o tal histórico "Complexo de vira-lata", porém diante de tantas leis, comportamentos e atitudes tão simples e óbvias adotadas por lá - e não por cá - fica difícil, nos sentir livres deste complexo. Não por falta de esclarecimento, mas por pura vergonha dos "lideres" que temos.

    Para se ter um exemplo recente, eu pensava que nunca nos tornaríamos comparáveis a países política e culturalmente digamos, "fora da curva", como o Paquistão, que recentemente resolveu prender aqueles que ajudaram os EUA a encontrar o Bin Ladem. Porém, lembrei que há poucas semanas atrás, o processo contra o Daniel Dantas foi arquivado (ou outro termo que significa a mesma coisa), pela declaração de nulidade das provas ou algo assim, por outro lado, o processo contra o delegado-deputado continua e o juiz Fausto de Sanctis sofreu punições. Mesmo que depois tenha sido promovido.

    Mas, paciencia....o país já passou da condição de :

    1. plantador de café e banana à produtor de aviões e ipads;
    2. de maioria na probreza, para maioria classe "mérdia";
    3. da condição de muitos analfabetos à de muitos analfabetos conectados a internet;
    4. da condição de patriarcado absoluto para a de "relativa" igualdade;

    Entre muitas outras "revoluções" não do tipo 360 graus, mas do tipo 350 graus, pois nos tiram do lugar onde estávamos, mesmo que um pouco. O processo é lento mesmo, fazer o que ?

    Resta esperar para quando passarmos da condição de população amoral para a de população moral. Mas que está dificil, isso está. Ainda mais, com tantos jogando contra e tão poucos criando e adotando "calendários de virtude" como uma fiel seguidora deste blog.

    ..e um "viva" aos Bombeiros !!

    Sigamos nossa vidinha...

    Bom texto,
    Abs,
    RR.

    ResponderExcluir