-

sábado, 20 de maio de 2017

O Segredo do Oratório

Em meu almoço de despedida, o amigo Luciano me presenteou com este livro. Ele entrou na minha fila, e chegou sua hora!

Devorei-o!!!

Muito legal! Muito instrutivo! Apesar de eu ter uma razoável cultura geral, não sabia da história dos cristãos novos, da perseguição dos judeus pela inquisição, da solução de D. Manuel que os obrigou a se converterem, da fuga para o Brasil dos convertidos que não conseguiam fingir, da boa acolhida dos dominadores holandeses em Pernambuco,  do degredo com a volta dos portugueses, da nau desgarrada que acabou na Nova Amsterdã em vez da velha, e da contribuição de 23 judeus brasileiros na fundação de Nova York em Manhattan.

A amarração da autora para contar essa história, com a batalha da médica Ioná na busca por suas origens, com a ajuda da jornalista Ana e do genealogista Pedro, ficou muito interessante e amarrante, no sentido que amarra a gente na leitura. Uma verdadeira investigação, com segredos embutidos em detalhes, pesquisas nos registros de nascimento e morte, fotos reveladoras, a descoberta de uma sinagoga disfarçada,  até desembocar numa sequência de Ionás ao longo de séculos, levando a última a se afirmar judia natural, descendente direta dos cristãos-novos.

Mas mais que isso, e embutido em cada página, a valorização da cultura judaica, o valor que os judeus têm pela sua história anciã, a obediência cerrada aos costumes, claro que especialmente pelos mais ortodoxos, a prática de casar na mesma família, para garantir a preservação do sangue, tudo impressiona alguém como eu, esse respeito ao passado, confesso que eu não tenho o menor apego por minha ascendência de duas gerações passadas para trás, não mesmo. E olha que eu sou Oliveira, nome de árvore, portanto devo ter um pezinho lá no mundo dos cristãos-novos.

Por fim, que sina é essa desse povo, de milenar perseguição, sempre soube da época da escravidão pelos egípcios, ao extermínio nazista, e as eternas tribulações com árabes e palestinos, agora fico sabendo desse período da Inquisição, em que eram levados à fogueira por apenas terem uma religião diferente e não aceitarem a cruz, tendo muitas vezes que professar sua fé escondidos?


Vou me aproximar mais de meus amigos judeus para saber um pouco mais dessa história.

Nenhum comentário:

Postar um comentário