-

quinta-feira, 28 de junho de 2018

Martinho da Vila - Uma Discobiografia

Quem me conhece, sabe que sou roqueiro e avesso à péssima música que anda por aí.

Sertanejo, Axé e Pagode nem pensar!

Já um bom samba, tradicional, partido alto,  eu me amarro.

E claro que quanto mais antigo, melhor, né?

O artista deste post eu admiro desde criança, desde 'O Pequeno Burguês' (Particular, ela é particular ...) que ele lançou em seu primeiro disco, lá em 1969 e que eu canto de cor até hoje. Se você vir a set list daquele LP, você vai se espantar com quantos sucesso que estão em voga até hoje, Casa de Bamba (nome do LP), Pra que Dinheiro, Quem é do Mar não Enjoa, aliás, nesta última, tem um trecho que, caso fosse adotado pela macharia, reduziria muito o número de feminicídios registrados.

'Homem que é homem não chora (não, não chora) 
Quando a mulher vai embora, vai embora

Já pensou? Se ela quer ir embora, deixa ela ir embora e segue sua vida!!!

Soube muito mais sobre ele, lendo o livro recomendado aqui. Um capítulo pra cada um de seus álbuns, dando destaque a trechos de letras, alguns detalhes da produção, da recepção que os discos tinham (da estreia com 300 mil cópias, chegando ao mais de milhão, passando o Rei em alguns anos), as parcerias de décadas, com o produtor Rildo Hora e o artista Elifas Andreato, responsável por quase todas as usas inventivas capas.

Eles sempre foi ativo, seja compondo, ou lançando novos compositores (mais de 40 álbuns), divulgando a lusofonia, fazendo enredo de carnaval (venceu 2), escrevendo (mais de 10 livros) e por que não, fazendo filhos, sim, ele tem 8 filhos, de três esposas (duas hoje na categoria 'Ex-Amor, gostaria que tu soooubesse, o quanto que eu sooofriii, ao ter que me afastar de ti ...')

Impressionante carreira!

Foi boa leitura!!