-

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Novos Beatles? Que nada!

Em algum dia de outubro de 1997, 
mandei a um pequeno grupo de amigos um textão sobre Beatles. 
Choveram comentários altamente positivos. 
Era meu primeiro texto. 
O PRIMEIRO DE 1700, QUE ACABEI REGISTRANDO NO BLOG

20 ANOS... HORA DE CELEBRAR
      

Com o fim dos Beatles como grupo, em 1970 (já que em qualquer outro aspecto, eles serão eternos!), a imprensa mundial especulou durante 10 anos, em torno de sua volta, criaram boatos, tipo "Agora vai!" várias vezes, alimentaram sonhos, inventaram situações propícias, enfim, nunca desistiram de tentar botá-los juntos novamente.
         Com a morte de Lennon, foi o fim do sonho. Harrison sempre dizia: "Enquanto Lennon estiver morto, os Beatles não voltarão!" Só a tecnologia conseguiu fazer com que ouvíssemos o grupo novamente junto, com a voz de Lennon, ao vivo do Além. Desde então, a imprensa mundial e em especial, a inglesa, cisma em encontrar um grupo sucessor para preencher o vazio. Mais ou menos como sempre tentaram achar o Novo Pelé, o que não conseguiram até hoje. Bem, agora, com a ida de Harrison, para botá-los juntos novamente, só mandando os outros 2 para tocar no céu (ou, no inferno, como queriam alguns mid-western americanos, quando Lennon disse que os Beatles eram mais populares que Jesus Cristo!).
         A última bola da vez chama-se Oasis! Comprei alguns de seus discos, e devo confessar que até gosto!
         O som é agradável, embora a batida de 80% de suas músicas seja o tradicional "Cha-kun-dum". As músicas e as letras são boas, muitas delas com citações explícitas de músicas dos fab-four. Dá vontade de ouvir o disco de novo, e cheguei até a pegar-me cantarolando alguns Chorus.
         Mas, daí a dizer que eles são "Os Novos The Beatles", como diriam o finado Bussunda e Cia., é prá mais de légua e meia, pra não dizer anos-luz.
         Para um grupo poder ser considerado como legítimo sucessor dos Beatles (e parece que esses aí aceitam a alcunha...) deve preencher os seguintes requisitos:


1. Tem que ter 100% de seus componentes como intérpretes das músicas.
·         Nos Beatles, todos cantavam e cantavam bem, ehrrrrr  .....   hummm  ....   quer dizer, Ringo tinha um voz meio esganiçada, mas as músicas que cantava foram todas marcantes e nós, beatlemaníacos, não admitimos as mesmas cantadas por outra voz, com a brilhante exceção de Joe Cocker, que gravou uma versão estonteante de With a Little Help From My Friends.
·         No Oasis, há apenas um cantor, Liam Gallagher, seu irmão Noel faz backing vocal e os demais três são mudos que nem uma porta de mogno!

2. Tem que ter 100% de seus componentes como compositores.
·         Nos Beatles, todos compunham e  compunham bem, ehrrrrr  .....   hummm  ....   quer dizer, Ringo demorou um pouco para ter uma música sua aceita pelos demais, “apenas” 6 anos ou  10 LP's. De Lennon/McCartney, não preciso falar nada! E, de George Harrison,digo apenas que, apesar de ter composto menos de 20 músicas na época Beatle, teve uma delas classificada como "A mais bela música de amor de todos os tempos" pelo notório Frank Sinatra, a antológica Something, a 3ª música mais regravada de todos os tempos (a 1ª é Yesterday, de McCartney e a 2ª, “Parabéns a Você”  ..... He He He!).
·         No Oasis, há apenas um compositor, Noel Gallagher, os demais quatro compõem tantas músicas quanto uma porta de mogno!

3. Tem que ter 100% de seus componentes como instrumentistas.
·         Nos Beatles, todos eram excelentes instrumentistas ehrrrrr  .....   hummm  ....   quer dizer, Lennon era apenas um bom guitarrista de base (rythim guitar), mas complementava bem a banda. Harrison era um guitarrista solo (lead guitar) de mancheias, seus solos de middle-eight (meados de uma música) eram sempre marcantes, como em And Your Bird Can Sing, algumas introduções são inesquecíveis, como em Ticket to Ride, Day Tripper e I Feel Fine. McCartney é um espetacular baixista (bass guitar), um estudioso, jamais se contentava em fazer uma seqüência de baixo simples, é só reparar em Lucy in the Sky with the Diamonds. Ringo é um baterista magnífico, apesar de não fazer aqueles solos demorados que aparecem em todas as bandas (... os outros três Beatles não deixavam!). Aliás, fez apenas um grande solo, no final do magnífico e inesquecível medley de Abbey Road, logo depois de You Never Give Me Your Money / Golden Slumbers / Carry That Weight e antes de The End. Fora aquelas batidas de rock que qualquer um sabe fazer, procurava elaborar e inovar, como em Tomorrow Never Knows , Come Together e em A Day in the Life, esta última muito elogiada pelo também grande Phil Collins, o baterista que virou cantor.
·         No Oasis, ainda não tenho conhecimento suficiente para apreciar as qualidades instrumentais do grupo, mas tenho certeza que pelo menos um deles, o cantor Liam Gallagher, toca tantos instrumentos quanto uma porta de mogno! Ou melhor, deve tocar chocalho, ao menos!

4. Tem que ter 100% de seus componentes com carisma.
·         Nos Beatles, todos tinham um carisma fenomenal ehrrrrr  .....   hummm  ....   quer dizer, Harrison era um pouco tímido e ficou conhecido como "The Quiet Beatle", mesmo assim, em entrevistas, tinha respostas oportunas e engraçadas. Lennon, o líder do grupo, tinha a língua mais ferina. Numa ocasião, num show no Albert Hall com a presença da Princesa disse: "Os sentados nos assentos populares, batam palmas; os demais, balancem suas jóias!", chocando os nobres e ricos que ocupavam nos melhores lugares. McCartney, um pouco intimidado no começo pela sobre-presença de Lennon, foi se abrindo aos poucos e chegou ao mesmo nível. Bom, de Ringo, basta dizer que tinha tanto carisma que houve época em que era o campeão em número de cartas de fãs, mesmo sendo, como direi (?) o menos bonitinho dos quatro, além de dar show em entrevistas: perguntado, numa ocasião, se apreciava Beethoven, que era citado em Roll Over Beethoven, ele respondeu: "Sim, claro, especialmente seus poemas!"
·         No Oasis, fora Noel, o solitário compositor, que ainda diz coisa com coisa, os demais quatro têm a expressividade de uma porta de mogno!

5. Tem que apresentar um repertório de ritmos variados .
·         Nos Beatles, após os primeiros anos de puro rock'n roll, mesmo assim entremeados de pérolas cover como Baby, It's You e You've Really Got a Hold On Me, começaram a mesclar ritmos, nunca deixando de lado o bom e velho rock, misturando como ninguém, até então, guitarras e violinos. Paul, com baladas como Eleanor Rigby e Hey Jude, Lennon com acid trips como I Am the Walrus, Harrison com viagens orientais (com cítaras e tudo o mais) como em Within You Without You e Ringo com ehrrrrr  .....   hummm  ....   bem, deixa pra lá!
·         No Oasis, ainda é cedo para julgar sua evolução, se bem que acho difícil, com uma só cabeça pensante!

6. Tem que chegar ao menos perto dos feitos dos rapazes de Liverpool (e isso só o futuro dirá!), como:
·              Vender mais de 1,5 Bilhão de discos, entre LPs e Singles, figura registrada no Guinness Book of Records;  
·   Produzir um álbum que dê uma guinada na música mundial, que sirva de marco tipo "Antes de ......  e Depois de ...." como Sergeant Pepper's Lonely Hearts Club Band;
·   Produzir o equivalente a 15 Álbuns, com mais de 200 músicas em pouco mais de 7 anos de carreira;
·   Ocupar, em alguma ocasião, os 5 primeiros lugares da parada americanas e 14 entre os Top 100 durante semanas consecutivas;
·   Causar comoção coletiva por onde passarem;
·   Parar o aeroporto de Nova York em sua chegada aos States; 
·   Ter um manuscrito de alguma letra, ou original de certidão de nascimento, arrematado em leilão por 50.000 libras;
·   Ter mais de 200 biografias e ensaios fotográficos feitos sobre eles. Um bibliotecário velhinho de Nova York disse que não passa uma semana sequer sem catalogar alguma publicação sobre os Beatles, seja livro ou revista, nos últimos 40 anos;
·   Ter mais de 5.000 títulos piratas (não oficialmente lançados), entre LPs e CDs;
·   Ter dezenas de CDs com entrevistas, lançados no mercado;
·   Vender em um ano, 26 anos depois de terminada a banda, mais de 50 milhões de discos e se tornarem a entidade artística que mais faturou no período (1996, segundo a Fortune);
·   Voltar ao Guinness Book 30 anos depois de terminada a banda, com a marca de 13,5 milhões de cópias vendidas de um lançamento em um único mês;
·   Produzir outra Equação do Amor como:
...and, in the end, the love you take is equal to the love you make!


7. E, finalmente:
·         Serem naturais de Liverpool     e
·        Chamarem-se
JOHN LENNON                 
PAUL McCARTNEY
GEORGE HARRISON  e   
RINGO STARR.

              E TENHO DITO!!!

9 comentários:

  1. Sabe por que nunca haverá "novos Beatles"? Porque os Beatles não eram a reedição de nada. Qualquer coisa que seja chamada de novo antigo jamais terá o impacto e a originalidade que os cabeludos tiveram!

    ResponderExcluir
  2. Belíssimo post. E parabéns pelos 300k!!

    ResponderExcluir
  3. Homerix,

    Quem teve o privilégio de viver os momentos especiais com pessoas extraordinárias como o Pelé, os Beatles, o Fernando Henrique, entre tantos ótimos, naturalmente busca os "novos", que repliquem os que os originais nos brindaram, com as suas respectivas habilidades. Devem ser fontes de inspiração. Que surjam outros extraodinários originais e diferenciados.

    ResponderExcluir
  4. Excelente texto! Esse eu não conhecia.
    Muito bem escolhido para marcar os 300 mil.

    ResponderExcluir
  5. Argumentação irretocavel. Quem acompanhou o surgimento e a consolidação dos fenômenos Beatles, Cassius Clay, Pelé, Jim Clark e outros ícones dos anos 1960 e 70, custa a aceitar as "novas cópias" que possam surgir e as inevitáveis (e por vezes injustas) comparações.

    ResponderExcluir
  6. Argumentação irretocavel. Quem acompanhou o surgimento e a consolidação dos fenômenos Beatles, Cassius Clay, Pelé, Jim Clark e outros ícones dos anos 1960 e 70, custa a aceitar as "novas cópias" que possam surgir e as inevitáveis (e por vezes injustas) comparações.

    ResponderExcluir
  7. Argumentação irretocavel. Quem acompanhou o surgimento e a consolidação dos fenômenos Beatles, Cassius Clay, Pelé, Jim Clark e outros ícones dos anos 1960 e 70, custa a aceitar as "novas cópias" que possam surgir e as inevitáveis (e por vezes injustas) comparações.

    ResponderExcluir
  8. Homero, concordo com você é impossível recriar um grupo musical que chegue próximo ao que os Beatles foram.

    Um abraço,
    José Henrique Danemberg

    ResponderExcluir