-

sábado, 31 de janeiro de 2015

Felipizes Para Sempre?

Depois de uma semana de Felizes Para Sempre?,
  (sim, a ? faz parte do nome) muito se falou sobre os dotes glúteos de Paolla
  (sim, as cenas são bem picantes) e pouco da mini-série, muito boa,
  (sim, dirigida por Fernando Meirelles) acoplada à realidade brasileira,
  (sim, corrupção, governos, empreiteiras), uma pena que assim sejamos!!

Mas para mim há um outro motivo para admirar a série!!

Na trilha sonora há duas canções de Alice Caimmy
  (sim, neta do grande Dorival): a da abertura 'Como Vês'
  (sim, tem um clima muito James Bond) e 'Meu Mundo Caiu',
  (sim, composta pela grande Maysa), em que Felipe toca
  (sim, é o responsável pelos violinos!!!)
http://www.vagalume.com.br/alice-caymmi/como-ves.html

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

O aNEversário



Ontem, foi difícil ligar aqui pra casa ... sempre ocupado .... aí o celular tocava .... foi a rotina da aniversariante .... entre um cuidado e outro da Dona Mira .... um passeio à Lagoa com ela .... um dominó pra distraí-la .... uma horinha pro pilates sagrado..... um conselho aqui ... uma determinação ali ..... um carinho acolá ... e mais telefonema ... era de Santos, era de São Paulo, era de todo lugar ... e vinha um ta tari tará do whatsappp ..ou um SMS .... e parava para uma chegadinha no Facebook ... foi legal .... ela ficou super feliz com o carinho de todos... e no final do dia, um bolinho .... com velinha .... e o parabéns, merecido, da lutadora companheira, mãe ... de quatro seres que dependem de sua companhia, conselhos, determinações, e carinhos, nesta família que há 32 anos é Pacheco Ventura. 

Parabéns, querida!!!

sábado, 24 de janeiro de 2015

Constellation vale uma babá

Misture Smoke Gets In Your Eyes com Only You com Blue Moon com Unchained Melody com When I Fall In Love com Blueberry Hill com Jambalaya e muitos outros clássicos, unte com um roteiro  que remete aos saudosos anos 50 num episódio que realmente aconteceu, o vôo Rio New York em apenas 20 horas,  inaugural do Constellation da Varig Varig Varig, em primeira classe, com a presença de Jorginho Guinle, Martha Rocha, Carmen Mairink Veiga, tempere tudo com piano, guitarra, baixo e bateria tocados ao vivo, leve ao forno com 3 atrizes cantoras e 6 atores cantores todos super competentes, e dançarinos, enfim, e você terá uma noite Unforgettable e sairá do teatro achando que tudo será Happy Days daqui pra fente
Assim será seu programa ao assistir Constellation, no Teatro Vanucci, do Shopping da Gávea, com direito a descontos pra quem assina O Globo ou a Net (e deve ter outros). Casa cheia garantida até fim de março, quando a trupe sairá pelo Brasil.

Como eu digo a meus amigos que têm filhos pequenos e em recesso quase total de cinema e teatro...

"Vale uma babá!"

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

A última noite de Robin Williams

Me emocionei! Ontem fui ao cinema!

Uma Noite no Museu foi uma trilogia de comédia, estrelada por Ben Stiller, onde ele faz um guarda noturno de um museu onde coisas acontecem durante sua vigia.

Uma placa egípcia dourada faz com que tudo ganhe vida dentro do museu quando o sol se põe.

No primeiro, em New York.
No segundo, em Washington.
No terceiro, em Londres.

Então, tudo vem à vida, esqueletos de dinossauros, exércitos em miniatura, personagens históricos.

Dentre eles, o mais notável sempre foi Theodore (Teddy) Roosevelt, presidente americano de 1901 a 1909, muito popular, cujas feições estão esculpidas no Mount Rushmore. Roosevelt foi o primeiro americano a ganhar o Nobel da Paz.

Quem interpretou Teddy na trlogia sempre foi Robin Williams.

E sempre foi o destaque. No primeiro, montado em seu cavalo. No segundo, era apenas um busto falante. No terceiro, desce do cavalo e acompanha o guarda-noturno a Londres em busca da solução do grande problema.

O filme foi muito engraçado, o tempo todo!! E tem uma participação hilária de Hugh Jackman, atuando como  ... Hugh Jackman

E ao final, coisa do destino, a despedida da trilogia, com Ben Stiller se despedindo de seus personagens principais, acabou sendo a despedida de Robin Williams. 

Teddy foi o último a dar adeus! 
Para emoção do guarda, dele mesmo e de todos os que assistiam ao filme!

Não deixe também de dar seu adeus ao grande Robin Williams


Equações Simples



Recebi no Facebook!!
Muito legal!!! 
E com funções matemáticas simples.
Assim como simples são as equações de Amor criadas pelos Beatles.
Esta é de John Lennon.
A de Paul McCartney é:
And in the end, 
the love you take 
is equal to the love you make.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Mar calminho?

Quando Renata foi à praia com Nádia, a Fã Número 3 de A Arma Escarlate no começo do ano, ela se declarou apaixonada pelo mar de Copacabana, tranquilo, bem melhor que o de Ipanema, que ela costumava ir (nas poucas vezes que fez esse programa).

Hoje, feriado, cuidadora aqui em casa pra vovó, resolvemos conferir. Saímos 8:30, chegamos lá e surpresa, logo encontramos lugar pra estacionar. A falta dele tem sido o motivo pra nossa resistência (e preguiça) em fazer esse tipo de programa. 

Paramos em frente à República do Peru ... e lembramo-nos de um amiguinho do Felipe que morava lá, na época do Andrews, nunca mais o vimos. Eu costumava ser o motorista da turminha, deixando todos e cada um em suas casas... tinha até um Orkut com o nome Jarbas, O Motorista. Bons tempos.  

Na enorme distância até o mar de Copacabana, agora fazem uns caminhos, com umas mangueiras furadinhas, pra pavimentar com areia menos quente o caminho até o mar. Legal...

Só que, lá chegando, olhei a imensidão e falei pra Renata: É esse o mar calminho que encantou você??

Pois é, a praia estava salpicada de avisos como esse ao lado, bombeiros pra lá e pra cá apitando aos incautos que não avançassem além da beiradinha ... e do mar, ondas que não deixavam ninguém de pé... pois é. Chegamos a caminhar até quase o Leme em busca de um local mais calmo, até que paramos. E ficamos por ali, revesando quem ficava tomando conta de nossa mochilinha, e foi bom, ver o mar, ouvir o mar, sentir o mar. Legal mesmo!! Depois voltamos, 11:30 estávamos em casa.

Antes de sair, a tradicional selfie família!!!


Mais ATLAS é VITAL pra Educação

Mais Atlas é Vital para a Educação
Julia Ferreira, uma querida fã da Renata, publicou na Armada Escarlate:
Acho que já falei do meu (ex) professor de história e geografia. Mas eu tenho que falar mais do meu Atlas vivo Emoticon heartDigo que ele é um Atlas vivo porque, toda vez que a professora fazia mapa de sala, ele desmanchava tudo e mandava a gente ser feliz. Digo que ele é um Atlas vivo porque ele é genial e amigo ao mesmo tempo. Nós sempre contávamos as horas pra chegar a aula dele.Um dia, quando nós não tínhamos mais aula com ele, a direção o mandou conversar com a gente, porque no ano seguinte íamos pro ensino médio e tal, e ele era professor do Ensino Médio também. Daí ele chegou com a sua maleta de couro, a pôs num canto, sentou em cima da mesa, e começou a contar causos. Arrancando gargalhadas de todo mundo. No fim da aula ele disse: "Gente,a direção me mandou aqui pra dar uma noção pra vocês de como vai ser ano que vem." Ele balançou a cabeça, negativamente, e falou. "Pessoal, ano que vem vai ser uma merda." E saiu.E olha que, apesar de toda esse rebeldia, ele foi a pessoa que mais me arrancou admiração. Na primeira aula que eu tive com ele, ele tinha acabado de sair do enterro do próprio irmão, e ele foi tão divertido que a gente só foi descobrir essa tragédia dois anos depois. Ele foi um professor que conseguiu fazer a turma inteira estudar por gosto, não por obrigação. Ele foi um professor que nos apresentou política, mesmo não fazendo parte da matéria daquele ano. Ele foi um cara que conseguiu ensinar sobre química, física, artes,mecânica e biologia, além de sua própria matéria.Ele era rebelde sim. Falava palavrão, ficava horas falando da vida, e tudo mais. Mas ele me ensinou muito mais do que devia, por puro gosto. Ele foi o melhor professor que eu já tive na minha vida inteira.E,desculpa eu estar perturbando vocês com esse texto enorme e meio sem sentido. É que eu conheci Atlas Vital,ao vivo e em cores. Eu tive aula com Atlas Vital... e eu precisava compartilhar isso com vocês!
Era necessária uma legião de professores assim.
Professores que façam os alunos se apaixonarem pela matéria.
Aqueles que deixam saudade... que você se lembra até depois de adulto.
Deve ser mais difícil hoje em dia, com o tratamento que lhes dão...
E os salários a la Cid Gomes que lhes oferecem.
Enfim...

Em tempo, Atlas Vital é um personagem criado por Renata Ventura muito querido pelos leitores!

É um diálogo dele com Hugo que está na orelha do livro A Arma Escarlate!

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Estação agora é Net

Há quase um ano, surgiu uma campanha para evitar que se fechasse o Grupo Estação, que administrava umas boas salas de cinema que eram a salvação de quem procura bons títulos, ou raros, ou que já passaram no grande circuito. Até embarquei nela, com um post de meu blog, este aqui...

Que bom que algo aconteceu e as salas continuam vivas. E agora com novo patrocínio. E descobrimos por acaso. Neusa e Renata queriam muito assistir a 'Irmã Dulce'. Acabamos deixando passar o tempo e agora só o encontraram no Estação Botafogo. Eu estava em São Paulo e elas foram assistir, na segunda-feira passada. Na bilheteria, perguntaram se havia alguma promoção e disseram-lhes da Net. Somos assinantes, mas elas não puderam usufruir, primeiro porque precisa do boleto (e a gente não anda com boletos de pagamentos por aí, assim, sem motivo), depois porque o titular da conta tem que estar presente, e pode comprar até dois bilhetes. Enfim....

Aí veio o fim de semana e eu doido para assistir a Relatos Selvagens (se não viu ainda, não perca, leia aqui), sabedor agora do desconto Net, fui procurar nas salas do Grupo Estação. E vi que os cinemas do Shopping da Gávea são do mesmo grupo. Liguei pra lá, confirmei, era, e cabia o desconto. Que beleza!! Na saída, passeando pelos teatros, notamos que justamente a peça que gostaríamos de assistir, o musical Constellation, era patrocinada pela Net. Compramos para a próxima quinta-feira!

Então é isso! 

O Grupo Estação Net é

Estação Net Botafogo
Rua Voluntários da Pátria, 88
Botafogo, Rio de Janeiro - RJ
Tel: (21) 2226 1988

Estação Net Gávea
Shopping da Gávea
Rua Marquês de São Vicente, 52 - 4º andar
Gávea, Rio de Janeiro - RJ
Tel: (21) 3875 3011

Estação Net Rio
Rua Voluntários da Pátria, 35
Botafogo, Rio de Janeiro - RJ
Tel: (21) 2266 9952

Estação Net Ipanema
Rua Visconde de Pirajá, 605
Ipanema, Rio de Janeiro - RJ
Tel: (21) 2279 4603

Estação Net Barra
Shopping BarraPoint
Av. Armando Lombardi, 350 - 3 º andar
Barra da Tijuca, Rio de Janeiro - RJ
Tel: (21) 3419 7431 
BONS FILMES!!!!

domingo, 18 de janeiro de 2015

Relatos mais que Selvagens ,,,,, BRILHANTES

Bullying, milícia, desinteligências, impunidade, impaciência, traição. 
O injustiçado, o mafioso, o playboy, o milionário, o engenheiro, a noiva.

Situações do cotidiano (ou quase), aqui, e na Argentina, e pelo visto em muitos lugares. Seis relatos, com o exagero permitido, plausível, ao mesmo tempo hilário e dramático, com desfechos incríveis. Ou increibles, pra ficar no idioma deste que é o melhor filme que vi nesta safra de Oscar 2015!
 
Nossos hermanos, e seu cinema evidentemente superior ao nosso, conseguiram mais uma vez.

Depois do espetacular O Segredo de Seus Olhos (se não viu, leia aqui sobre ele, e vá correndo alugar), mais uma vez nos encantam com sua arte. 'Relatos Selvagens' leva o cinema argentino a disputar o Oscar novamente. E tem muita chance de levar, se bem que já não levou o Globo de Ouro, que foi para o russo Leviatã. Mas os julgadores são outros!

O diretor Damián Szifron tem sido considerado o Quentin Tarantino Argentino, mas não se assuste com isso!!!

Tem Ricardo Darín? Sim, mas ele é apenas o protagonista de um dos episódios. Há outros desempenhos brilhantes, como Érica Rivas, a noiva do último episódio!! O cinema argentino está para o brasileiro assim como o futebol alemão para o nosso!

Invista seu tempo! Ele vai ficar ainda muito tempo em cartaz!!

Você vai se surpreender de cara e vai continuar se surpreendendo a cada momento.
Se puder desligar-se um pouco das legendas, acredite, vai apreciar ainda mais, com os termos em espanhol.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Lucas resenha A Comissão Chapeleira

Lucas é um leitor da Saga A Arma Escarlate, querido por toda a comunidade, sempre presente nos encontros que ocorrem em São Paulo, mesmo com toda a dificuldade logística de sua presença. Conheci-o na última Bienal de São Paulo.
  
Lucas
escrevi uma resenha


Forte e Intenso!
Eu demorei muito para resenhar esse livro, mas sei exatamente o que dizer!
A Comissão Chapeleira não é apenas uma continuação, é como uma nova estrada onde iremos passar. Hugo, com suas cicatrizes, mas ainda sim, lugares onde ferir, irá intensivar todo o enredo.
A primeira parte, soube introduzir tudo que seria necessário ser introduzido no livro. Sem deixar o fôlego parar, temos vários acontecimentos e, inclusive, todo um arco dentro dela, que perdurá durante todo o livro. A primeira parte é uma chave que irá abrir uma porta para milhares de coisas novas. Hugo e os Pixies; Capí, VINY LINDO E MEU, Caimana e Índio nos levarão, com outros personagens, por uma jornada Mágica, Brasileira e Politica.
A maneira como Renata Ventura soube conciliar a Política com a Fantasia, é algo encantador. Esse livro nos ensina coisas históricas e sociais ao mesmo tempo que nos diverte e encanta, e é dessa forma que ficamos tão ligados ao enredo.
Acontecimentos surpreendentes, que nos deixam abismados, que não imaginamos, que nos destroem, que nos deixam curiosos. Ler esse livro, vale uma maratona! Uma incrível maratona!
Um humor aguçado, nos momentos certos, da maneira certa, que nos faz rir e analisarmos a situação.
Totalmente detalhista, existem várias cenas lindas de se imaginar, vários contextos para vivenciar.
O sotaque dos personagens é uma das melhores coisas! Nos cativa, nos aproxima, nos ensina. Deixa tudo mais real e bonito.
Aprofundamento dos antigos personagens, de uma forma que sempre iremos querer mais, um jeito que nos leva. Personagens novos que nos encantam e fascinam, tudo em prol da história, da narrativa. Cada um tem sua verdadeira função, sem ser impedido de articular em outras funções.
Um vilão que intriga a todos, que com certeza irá nos revelar muito de si, mas que marca nossa memória a cada cena com algo novo.
Vilões que nos assombram, vilões que nos enraivecem, vilões que nos desesperam.
Mensagens que sempre nos acrescentam algo, que nos farão refletir, que serão um tapa na nossa cara! Que escancararão o mundo, que mostrarão pensamentos que temos, mas nem nos damos conta.
Folclore muito bem tratado. Trouxe a linha do anterior, e não veio fraco, veio pra se mostrar, veio pra dizer "Sou perigoso", veio pra dizer que não ta de enfeite. Todos os seres folclóricos tiraram meu ar em uma cena. AMEI. Beijos Peteca!
Fatos marcantes. Fatos que não tiveram dó. Fatos que estarão presentes na continuação da série. Eu sofri? Sim, mas gostei, EU GOSTEI DE SOFRER, pois Renata faz isso como ninguém. Ela sabe onde dói, mas não vai direto, ela percorre um caminho agonizante, e quando chega, constrói toda uma sociedade no local e fala "Não acabou."
Adorei conhecer mais sobre a sociedade Brasileira Bruxa, que nesse livro se mostrou maior do que imaginava e muito bem construída.
Consequências! Esse livro abusa delas, das melhores formas, sem limites. Do começo ao fim, e nas cenas finais, foi crucial, ainda deixando passos para consequências futuras.
Ganhos, perdas, cortes, arranhões, tapas. É isso que nosso coração sofre durante toda a narrativa.
Inclusão! Há inclusão social nesse livro, de um jeito natural e incrível. Que, fazendo uma ligação com uma delas, deveria ser teiada em muitos lugares.
Por fim, quero falar da escola de Salvador. EU TIVE A SENSAÇÃO DE ESTAR LÁ! Uma descrição linda, tradições lindas, personagens lindos e um valor imenso. Terei saudade!
Esse livro mostrou que meu coração está nas mãos dessa série, e irá ser bem manuseado.
SARAVÁ!!!!!!!!!!!

domingo, 11 de janeiro de 2015

Falta amor

Exatamente há uma semana, neste exato lugar, o supermercado Prezunic de Botafogo, eu encontrava um amigo de facebook que me cumprimentou com um 'Parabéns'. Relatei o encontro no blog, apresentando Andrei Bastos às 'minhas' pessoas como um ativista dos direitos das pessoas com deficiência. E relatando um episódio irônico de sua ação. Aqui, neste link.
  
Ontem, em meu estágio habitual no Facebook, sempre atento a um bate-papo com fãs de Renata ou a uma nova atração da Baleia para divulgar, aparece uma notificação..."Andrei Bastos alterou sua foto de perfil", abri, e me espantei! 


Reconheci de imediato a foto do jovem que fora assassinado na Urca com 5 ou 6 tiros em uma ação de assalto dois dias antes. Deus! Será?

O jovem era filho de Andrei!!

Biólogo brilhante, recentemente formado, pronto para embarcar em um mestrado no exterior em que dedicar-se-ia ao estudo do genoma humano, rumo à descoberta de cura de doenças.

Choque!!!!

Já estava chocado com o fato....mas naquele momento ele chegou mais perto .... comentei no post que eu gostaria de ter um texto que li por ocasião de uma outra perda, como a dele, de um colega que perdeu seu filho, da mesma idade, acho, para uma leucemia galopante. Mas dizia mais ou menos assim: 
...Imagine que ele embarcou numa barca, deixando aqui todos tristes por sua partida, depois coloca-se na proa da embarcação durante a viagem e vê, de longe, seu destino chegando, um acúmulo de gente aguardando, todos felizes e aplaudindo sua chegada .....
Pois é, essa missão que ele tinha aqui, ele vai continuar realizando lá, de uma outra forma .... e certamente olhando por todos os que deixou na origem desta viagem..... 

Hoje, Andrei reuniu forças para publicar um breve depoimento, sentido, apontando os culpados.

Antes que me perguntem: não acredito em "olho por olho, dente por dente". Os assassinos do meu filho são Dilma Rousseff, Pezão e Eduardo Paes, que pouco ou nada fazem pela Educação no Brasil. Os assaltantes que atiraram nele são vermes que nasceram na podridão em que vivemos.
Ainda que concorde que a base de tudo é a educação, lembro aqui de um gênio da música cujo papel na terra poderia ser resumido em três trechos de suas canções, que, caso levadas a sério, evitariam o aparecimento daqueles vermes:

Give peace a chance
Imagine all the people sharing all the world
All you need is love

Ou no mínimo à última. Tivessem os vermes algumas doses de amor por pessoas e certamente não descarregariam uma arma em uma vítima que não reagiu nada....

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

A Comissão Chapeleira faz chorar até Ogro

Ele mesmo se definiu assim, em sua opinião sobre o livro de Renata. 
Ele é David, professor de inglês de Arcos, Minas Gerais!!! 
Ele leu as 655 páginas do livro em 4 dias!!!

Pois é, acabei A Comissão Chapeleira ontem e vocês podem ver pelo tamanho do 'beiço' que não fiquei muito feliz, né? Pois é, só de pensar que toda essa experiência magnífica terminou eu já fico chateado pra caramba, mas... O que são uns dois aninhos (ou menos, com sorte) até o próximo, certo?Considerações eu tenho muitas, mas como a maioria envolve spoilers, prefiro me ater às mais simples: Renata, você se superou em muitos aspectos, muitos mesmo e te digo que pela enorme e incontrolável expectativa que eu me peguei sentindo antes de ler essa sequência, eu poderia jurar que me decepcionaria (mesmo que minimamente) por esperar TANTO assim de um livro, mas não.
Não houve a menor decepção, e isso é um absurdo...
Tudo satisfatório e muitíssimas expectativas excedidas em inúmeros pontos.
Dessa vez eu consegui me transportar mesmo, fui parar dentro desse livro durante esses quatro dias de leitura, me senti um dos profesores/funcionários do Sistema de Ensino Bruxo Brasileiro ali acuado e altamente atingido por todas aquelas emoções.
Até chorar eu chorei, cara, tem noção disso (não vou falar a parte pra não dar spoiler, mas foi numa cena bem improvável, que não envolvia sofrimento nem nada, apenas justiça)? Eu sou quase um ogro, posso contar nos dedos de uma mão do Lula quantas vezes eu chorei com uma obra de ficção... Isso não é corriqueiro pra mim, havia muito tempo que eu não sentia isso, muito obrigado, Renata.
Não houve a menor decepção, e isso é um absurdo...
Tudo satisfatório e muitíssimas expectativas excedidas em inúmeros pontos.
Dessa vez eu consegui me transportar mesmo, fui parar dentro desse livro durante esses quatro dias de leitura, me senti um dos profesores/funcionários do Sistema de Ensino Bruxo Brasileiro ali acuado e altamente atingido por todas aquelas emoções.
Até chorar eu chorei, cara, tem noção disso (não vou falar a parte pra não dar spoiler, mas foi numa cena bem improvável, que não envolvia sofrimento nem nada, apenas justiça)? Eu sou quase um ogro, posso contar nos dedos de uma mão do Lula quantas vezes eu chorei com uma obra de ficção... Isso não é corriqueiro pra mim, havia muito tempo que eu não sentia isso, muito obrigado, Renata.
Muito obrigado mesmo.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Encontro com Andrei

Com o advento do Facebook, muita gente sabe o dia do seu aniversário. E nesse dia você recebe um montão de felicitações virtuais. Ontem, no supermercado, houve duas ocorrências reais, uma delas uma ex-vizinha, que deu o bom dia, e logo em seguida, o feliz aniversário, data que soube pelo Facebook... E a outra foi muito pitoresca. Encontrei Andrei, amigo de Facebook, que muito me emocionou ao atender a meu convite lá em 2011 para ir ao lançamento de A Arma Escarlate, mesmo sem nos conhecermos pessoalmente. Depois, apenas uns poucos encontros virtuais, uma curtida aqui, um comentário ali, mas hoje, ao encontrá-lo, estendendo minha mão, disse:
"Andrei, olá, sou seu amigo do Facebook".
E ele:
"Sim, Homero, eu sei... e sei também que hoje é seu aniversário, parabéns!"
É um dos pontos bons do Facebook!!

Andrei Bastos é jornalista e escritor, e sempre tem tiradas profundas sobre o país. E sobre sua situação de cadeirante. É defensor ativista dos direitos das pessoas com deficiência. Um dos posts de que me lembro bem foi quando usou sua fina ironia com sua própria condição.  Depois de se incomodar com a frequência com que tinha que  renovar uma certa licença de estacionamento especial que é seu direito, ele conseguiu que se a renovasse por um período de 5 anos. Bem melhor, claro, mas sua conclusão foi na veia:
"Decerto que eles só me deram 5 anos pois esperam que até lá minha perna cresça!!!"
Brilhante!! 

Mais detalhes sobre suas ideias, seus livros, seus trabalhos no blog 
http://blog.andrei.bastos.nom.br